sábado, 6 de fevereiro de 2016

A minha apresentaçâo do Livro do Senhor Professor Doutor Canha

Satisfazendo o pedido de alguns amigos, deixo aqui a minha apresentação do livro, dia 5 Fev.16, no Pavilhão de Portugal em Coimbra

NORBERTO CANHA, O nosso mundo - Ecoar Coimbra - Pentalogia da esperança –3.º Volume  Contas aos netos - Coimbra 2015
Apresentação

(Há duas formas para viver a sua vida: uma é acreditar que não existem milagres. A outra é acreditar que todas as coisas são milagres.

1 – Antes de mais nada, cumpre-me agradecer o honroso convite que me foi dirigido pelo Senhor Professor Canha para apresentar o seu livro, hoje aqui, no Pavilhão de Portugal, em Coimbra.
Considero um aventura aliciante ainda que arriscada, pois pensava para mim: como pode um lago conter um grande mar?!
A distanciação, a competência crítica no comentário, o conhecimento e domínio das matérias, a justa medida dos encómios, o rigor da avaliação de alguém singular e único, torna esta tarefa assustadora!
Mas enfim…
Ofereço a minha leitura possível.
Depois cada leitor colherá da obra a sua máxima riqueza, pois cada um lê, com aquilo que é.
Vou deixar falar o coração, seguindo o conselho do Senhor Professor Canha, já que a intuição, um saber global, apriorístico e imediato, nascido no coração não se engana. Vou deixar falar o lado direito do meu cérebro, onde residem tesouros que surpreendem por vezes.
Passo a citar:
Basta que deixes moldar o teu pensar e consciência/para quando tiveres de tomar uma decisão, a primeira coisa que te ocorra à mente, está certa. Põe-na em execução sem mais pensar” Pág. 150
O raciocínio lógico sediado no lado esquerdo do cérebro, tão prezado no Ocidente, também tem uma palavra complementar a dizer, no que respeita á análise das ideias. Escolhas. Organização do discurso e outros aspectos não menos importantes…
Antes de entrar no texto do Senhor Professor Canha que me fascinou. Prendeu. Emocionou, desde o início, permitam-me que revele alguns segredos…Justificam em parte, a minha presença aqui.
·      .Fui professora de uma das suas filhas o que criou laços entre mim como docente e os alunos que me cabiam amar e ajudar a aprender! A Xana era uma boa aluna. Delicada e muito linda!
·      -Também cruzei com os meninos Canha e sua mãe, a afável Dr.ª Célia, na Alliance Française, onde fui aluna e desempenhei funções, ao tempo.
·      -Por fim o laço mais forte, é a amizade e gratidão! Mas a admiração e muitos pontos de contacto que perfilho, com o Senhor Professor Canha, , vão criando pontes!
·      Contudo, refiro mais uma vez a gratidão, pois devo ao Senhor Professor Norberto Canha o braço direito de meu filho!
·      Assim os sentimentos que me trazem aqui são de  Amizade. Gratidão. Estima. Admiração e Carinho, perante um ser Humano excepcional, “singular e único” e a sua Família!
O espanto. A Comoção. A Sintonia com as suas ideias enchem –me de alegria!

2A Obra
O Nosso Mundo
O ecoar de Coimbra- Pentalogia da Esperança
3.º Volume  - Contas aos Netos – Coimbra 2015
Quando num encontro ocasional, o Senhor Professor Canha me disse que me ia enviar o seu livro, fiquei à espera.
Mal peguei no livro, reparei que era a obra que comandava o ritmo da minha leitura, pelo fascínio que exercia em mim, quer pela variedade da forma, quer pela riqueza diversa do seu conteúdo!
Além disso, reparava nas afinidades que ia descobrindo e me prendiam ainda mais.
Fixar-me-ei então na sua Forma e Conteúdo, segundo a minha leitura.
Sob ponto de vista formal, esta obra lembrou-me de imediato, do poeta novelista, tradutor russo, Boris Leonidovich Pasternak, o seu romance O Doutor Jivago, (também a história de um jovem médico aristocrata e de uma enfermeira plebeia).
E por que razão?
O autor, tal como o Senhor Professor Canha, mistura géneros diversos - poesia e prosa - num casamento perfeito. Também nesta obra, o Senhor Professor Canha nos surpreende a cada momento, pela riqueza e mutabilidade quer da forma, quer das ideias.
E se “O estilo é o homem”, segundo o conde de Buffon (Georges-Louis Leclerc, naturalista, matemático e escritor francês,), esta afirmação confirma-se pela:
Riqueza. Versatilidade. Desassossego em alguém com carisma, perfeitamente denunciado e retratado no registo que nos oferece.
O Nosso Mundo
O ecoar de Coimbra- Pentalogia da Esperança é uma obra polifacetada que desafia e provoca, diria mesmo. O testemunho e relato histórico é fermento para mudança e grandes aventuras da humanidade, a favor de um mundo melhor e de um planeta mais respeitado!
Obra de saberes e experiência feita, aborda temas como Ensino (Ensino um poema permanentemente inacabado, como diz o autor).Universidade e vida académica -. Questões de boas maneiras e educação dos estudantes. Praxe. - Veterinária. Agricultura. Economia. Medicina. Filosofia. Politica. Arte. Energia. Indústria ( têxteis).Guerra. Paz. Emigração e outros assuntos!

É uma obra actual de carácter enciclopédico, que reflecte a angústia, o cuidado e a preocupação do autor e de todos nós!
Os conceitos apresentados ajudam a reflectir. Meditar. Aprender. Construir. Mudar. Incentivar. Elevar o espírito, enquanto esclarece e abre caminhos ousados, pois alerta. Interroga. Aconselha. Critica. Denuncia…

 O Senhor Professor Canha ultrapassou há muito os saberes, alcançando a sabedoria, jóia rara e subtil que atravessa os seres que abandonaram preconceitos e vícios humanos, deixando a alma pelo caminho para se ligarem à pura materialidade.
Albert Einstein dizia que “Conhecimento auxilia por fora, mas só o amor socorre por dentro. Conhecimento vem, mas a sabedoria tarda.

No caso do Professor Canha a Sabedoria já o contaminou!
E contra isso, ele não consegue descobrir a vacina…

Homem de acção. Um ser humano por excelência, fervoroso e interveniente, aponta caminhos pelo exemplo e pela escrita. Jamais poderemos ignorar a sua voz de profeta!
“Transmontano. Português e Angolano”, cidadão universal, é com emoção e autenticidade que nos diz:
Eu, nunca na minha vida invoquei um direito porque desde sempre cumpri escrupulosamente com os meus deveres” Pág 20
“Nunca fui traiçoeiro, injusto, desleal, ladrão”, confessa.
Intervém quer no capítulo da (ver Carta a Sua Ex.ª Reverendíssima o Bispo de Coimbra D.Vergílio. Aí pede à Igreja que assuma:
 “A Igreja no momento da desagregação social, é a luz da verdade, da Esperança…do único sentido…espero apoio e participação”Pág. 35
Quer fé na ciência (sugestões avançadas para doenças ditas incuráveis, nos nossos dias)
Quer na política, em que defende
Um governo de Convergência e Solidariedade Nacional Pág. 23,…
”que se termine de uma vez o por todas a “peixeirada” do contraditório, seja qual for o sítio ou lugar, desde que tenha cariz político” Pág. 23
Quer nas coisas mais simples que o rodeiam no dia- a- dia e a que está igualmente atento, o autor intervém:
«Não será uma coisa que se faça uma barragem, e não contemplem as migrações dos peixes? Pág.43
Rigor e actualização permeiam as suas afirmações, quanto a normas comunitárias:
«A Agricultura deve ser uma das principais preocupações…. Importamos 85% do que se consome….favorecer as áreas agrícolas com menos aptidão”.. para que a agricultura não seja a “mancha negra” de qualquer governo… o governo não ser apenas «um fiscal» implacável das Normas Comunitárias.”.Pág 143.
Confirma e reforça as suas afirmações assim:
 “Quem vos fala é quem foi agricultor e Presidente de uma cooperativa e sabe como funcionam as coisas” Pág.143
A Tr0ika também não escapa e da qual afirma…”que se comporta como um agiota”Pág.33
Sobre o conceito de trabalho, diferente de emprego, deixa a interrogação:
«Estará certo que de se deitem no mercado de trabalho, milhares de profissionais de todos os patamares, sabendo antecipadamente que não terão emprego e, para agravar, além do mais não têm versatilidade na sua formação para estarem habilitados a recorrer a outras oportunidades? Pág 143
A indignação também aflora:
«Está certo que se venda Património Soberano, para pagar dívidas ou juros, por impreparação. Imprevidência, imprudência e irresponsabilidade dos políticos? Sem disso poderem ser responsabilizados?” Pág 144
Obreiro incansável da paz:
«Eu tenho esperança que os princípios, as regras expostos na 1.ª Palestra – Generalidades - Fundamentos  -Valores se estendam a todo o planeta, para que se alcance finalmente a Paz, o fim das guerras e da fome” Pág. 144
Perante a máquina que escraviza o homem, paira a esperança:
«Eu tenho esperança que surja um capital diferente do vigente, um capital de rosto humano, sem que o homem seja escravizado como actualmente, pelo próprio homem e pela máquina» Pág.144
E o autor não fica por aqui.
Na ponta final da sua vida cheia, mil vidas numa vida, ainda está preocupado com o sofrimento do seu semelhante e até dos animais que sempre lidou em criança em Trás-os-Montes, quer jovem na fazenda de seus amigos, em Angola.).
Deixa ainda uma palavra de esperança para que nunca desanimem os que sofrem das chamadas doenças “incuráveis”, estigma que quanto a mim, é cruel e que ele quebra por amor ao seu semelhante.
“Nunca te dês por vencido. È preferível morrer lutando do que viver mendigando”…«Poderá surgir um milagre ou alguém que futuramente possa vir a beneficiar de um ou outro tratamento. Todos temos medo, mas herói é aquele que tem medo e avança», Pág 171.
Que poderei eu acrescentar às palavras que lhe foram dirigidas por homens tão ilustres ao longo da vida?
“ Hás-de vir a ser um grande político” Dr Lavradio…
“Alguém com a visão mais ampla de toda a patologia” Professor Mossinger, Pág 148
“Foi o aluno mais brilhante que tive” Professor Doutor Oliveira e Silva (Beló)
“O Dr Canha foi o homem mais realizador que conheci” Dr. Alberto MachadoVeiga, chefe de gabinete de Veiga Simão
“Ès a pessoa mais inteligente que conheci” Dr António Maçarico
“Figura universal” Prof Maurice Edmond Muller
E o meu coração ainda quer acrescenta :
é toda a sua postura que nos enternece. Anima. Encoraja. Ilumina com ideias brilhantes de alguém bem-amado pelos seus pais de quem colheu exemplos, ensinamentos e que recorda com ternura e gratidão.
Particularmente dotado (menino escrevia com as duas mãos que faziam simultaneamente várias tarefas) usa a reflexão e observação, o que sempre o distinguiu de outros, quiçá ditos inteligentes. Como se isso não fosse extraordinário, acresce ainda a sua dimensão espiritual.
Abre este livro, com uma declaração de princípios, em ar de invocação e dedicatória. Oferece-nos uma oração a Deus, sinal da sua grandeza, pois o homem só é grande, quando reconhece a sua humildade perante o Criador…
“Dai-nos Senhor/O pão-nosso de cada dia/ ganho com o suor do nosso rosto/fazei com que haja paz no mundo/Inspirai-nos para actuemos sempre/dentro do amor e da justiça/Para que haja Paz, entre a Natureza, os Homens, os Povos e as Religiões/Para que possa- mos ser enfim/Felizes neste nosso Planeta Terra”
Toca-nos quando é atento à ternura da sua esposa preocupada com o seu chapéu…
Quando nos lega gravado nesta Coimbra por onde seu espírito paira, na pedra do Penedo da Saudade, uma mensagem que já não cabe no mundo e extravasa para o espaço sideral…
“Quando penedo da Saudade/Alguém te vier visitar/ e ler o que aqui está escrito/Sendo viajante da Terra ou espacial/Saiba que de Coimbra partiu a primeira Globalização /A Lusíada, que dava dignidade às pessoas/e se inicia (e)uma nova Globalização de Rosto Humano/que seja visível até ao espaço sideral/para que haja Paz entre os homens, Nações e Religiões/e haja Harmonia entre o Homem,/ os Animais e a Natureza/Que propõem os princípios/ Para o Ecoar de Coimbra!”Pág 7
Enternece-nos quando coloca os netos no pedestal das suas preocupações, para lhes transmitir valores eternos…
Quando extravasa as suas preocupações deixando uma espécie de testamento científico e moral para os vindouros, chama nos à atenção.
É um pedido, quase grito com eco imparável, que repete de modos diversos, feito com veemência suave…
Responsabiliza a todos sem apelo, pois o retrocesso é impossível quando a consciência está de posse das normas…E podem-se dar muitas desculpas. Fazer ouvidos surdos. Arranjar muitas justificações, mas o aguilhão está lá vivo.
Quanto à pena do artista, o Professor Norberto Canha nunca nos defrauda.
O filão de médicos artistas - Fernando Gonçalves Namora, Manuel de Brito Camacho, António Egas Moniz, Bernardo de Santareno (Medicina  .psiquiátrica, pseudónimo literário de António Martinho do Rosário), o transmontano Miguel Torga, António Lobo Antunes e tantos outros, é enriquecido pela sua veia estética que ressalta em Contos para Aldeia e Vila tb incluídos nesta obra..
Aqui sobressai a maestria do escritor capaz de criar uma emoção delicada e intensa, com leveza e simplicidade invulgares.
Oferece-nos assim uma filigrana tecida de palavras, no conto Mestre Finezas, prendendo o leitor. Levando-o a repetir a leitura com um prazer renovado. Sempre novo!
Matematicamente a economia do verbo exacto e lindo, estende-se ainda ao longo do conto.
Em Mestre Finezas a elegância do verbo e os sentimentos de ternura. Saudade. Paixão. Entrega. Acolhimento, atingem um nível tão elevado que não me lembro de me sentir assim tocada por nenhuma das minhas leituras no género conto.
Duas figuras apenas, numa economia perfeita de personagens neste género, Mestre Finezas – Violinista. Actor de teatro local. Barbeiro e Carlinhos que vai à sua barbearia.
Os sentimentos de compaixão e carinho, perante a decadência senil do Senhor Finezas, a quem o tempo não perdoa, são tratados com pinça pelo escritor,
Mestre Finezas conversando com Carlinhos, fala do abandono a que foi votado (como acontece aos idosos dos nosso dias). Fala de Teatro. Música e poesia. A certa altura Mestre Finezas dirigindo-se ao Carlinhos diz:
“Tu queres ouvir a música que eu tocava muito, Carlinhos?».....«Lentamente o fio de música ia engrossando. Era agora mais forte – agudo , desamparado como um choro aflito. E demorava, ondeava por longe, vinha e penetrava-me de uma sensação dolorosa» (pág 114)
Representaria sonoramente, Mestre Finezas pela leveza delicada de António Vivaldi. Pictoricamente por uma aguarela do amarantino, Amadeo de Souza Cardoso, justamente o Violinista.
No conto, O Senhor Antero, a finura da análise penetrante do retrato deste transmontano, é notável.
O Senhor Antero, personagem violenta, é desenhado intensa e com escrupulosa exactidão.
Em sinestesias, compararia este texto sob o ponto de vista sonoro, a uma obra de Wagner ou Beethoven, dada a robustez corajosa e desafiante deste personagem. Pictoricamente representaria a personagem “Senhor Antero”, por um óleo de Paula Rego…ou uma aguarela de Souza Cardoso…ou ainda  uma escultura possante e corajosa de guerreiros romanos na batalha (Grande Escultura da Areia dos Guerreiros Romanos na batalha).
Em Contos para todos os lugares
Podem ler-se declarações. Conselhos, tipo refrão, como acontece ao longo da obra:
Cito:
“Procede orientado pela luz e voz da tua consciência”
“As ideias não se digladiam, digladiam-se os homens pelas ideias”
“Com princípios não se transige”pág 122
“Queremos ser homens livres, mas não há liberdade havendo fome e temor” Pág 146
Não se alimentará esta guerra para produzir, vender e modernizar armamento para alimento do capitalismo?” Pág 122 interroga e denuncia.
Arguto faz o diagnóstico, sem dó nem piedade como convém nestes casos, acerca do problema da autoridade, da hipocrisia pós 25 de Abril :
os mais exaltados, seguramente eram-no para saldar culpas” pág 132
Primeiro de Maio – cravo vermelho na lapela – à frente….
«”…estava perdida a autoridade do estado, que não se estabeleceu e antes se degradou até hoje. É este e continua a ser o nosso problema».pág 132
Mas para além destes contos de fino recorte literário e destas considerações, há ainda os poemas que atravessam a obra.
Nascem naturais, Escorreitos. Profundos em reflexão e observação atenta da vida, dissertando sobre tudo e todos .
Pág 123 diz-nos
«Como foi a minha aprendizagem?
Aprendi: com os homens a natureza e os animais…….. iniciei na minha aldeia»

Desabafos. Relatos verdadeiros de desaforos diversos. Sugestões de correcções a fazer na política. Na religião e na postura perante o trabalho. A Emigração. A democracia. A agricultura. A Economia…abundam.
Os poemas, que atravessam a obra, surgem numa linguagem fluente. Sonante, com uma musicalidade ao ritmo da alma do autor, no momento. A mancha gráfica é constante, fruto da ordem interior!
Segredo da boa comunicação, esta linguagem transmite conceitos densos, numa linguagem acessível a todos!
Não contente, o Senhor Professor Canha prossegue com factos históricos documentados. Apresenta Meditações e Cinco Palestras temáticas para não ficarem dúvidas.
Aborda:
·      Política europeia e nacional de antes, durante e após o 25 de Abril de 1974.
·      Investigação alimentar e globalização.
·      Medicina. Mergulha fundo nos aspectos teórico e prático
·      Aponta caminhos :”
·      O que está a falhar no mundo global?”O mundo do futuro. Como programar esse mundo. Fundamentos e síntese. O mundo que querermos. Fundamentos. Valores. Patamarização das gerações
E no final: Como fora a última lição, deixa ensinamentos científicos médicos e sugestões práticas valiosas aos clínicos.
Deixa conselhos de práticas inovadoras.
Não esquece os que sofrem, a quem deixa mensagens de esperança e de incitamento!
“Eu prevejo que os paraplégicos possam vir a movimentar-se livremente” Pág 169
“”Prevejo que a droga-dependência possa ser vencida”
..Aborda ainda o envelhecimento e doença de Alzheimer, forma de impedir o avanço de tumores malignos…cancro como sendo um problema imunológico.
Apela à conservação da Natureza…à não violência…e à paz entre os povos:
“Ninguém pode ser feliz sabendo que alguém está infeliz”
No fecho da obra, deixa uma mensagem resumo que ninguém vai poder deixar de ler !
3- Em ar despedida, renovo os meus agradecimentos ao Senhor Professor Canha por este honroso convite.
Agradeço a atenção de todos os presentes a quem convido a saborear esta obra cheia de emoção e autenticidade!
Muito ficou por dizer, mas cada um colherá no silêncio, todo o néctar de uma obra imperdível!
Felicito e agradeço ao Senhor Professor Doutor Norberto Jaime Rêgo Canha pelo amor que põe em tudo que faz e diz.
(Acho que ele diz como Sebastião da Gama:
“Tens muito que fazer?
-Não. Tenho muito que amar!)
...Pela preocupação pela felicidade dos outros
…Pelo compromisso interior com os valores que sempre o acompanharam e que deseja perpetuar e doar a “quem tiver ouvidos para ouvir que ouça”.
A voz dele nunca se calará…Mesmo quando não estiver mais entre nós.
Diria que o Senhor Professor Canha, cidadão do mundo, nos lega com gestos humildes, coragem e grandeza, a Bíblia de um cientista moderno, numa grande síntese!
Ao Cidadão íntegro, Pessoa digna, Cristão interveniente, Médico por excelência, Professor brilhante, Pedagogo convincente em cuja obra pulsa o Realismo e Utopia, em muitos livros nunca acabados…
dedico este meu simples texto final…
“Quem escreve constrói castelos. Quem lê passa a habitá-los.”

A estranha aventura de ser teu
De te sentir como alguém a meu lado
A minha fiel sombra que me segue…
Fazes-me sonhar.
Noite e dia
visitas Me
Pesada e leve...
Com histórias para contar
Nunca antes contadas
Reveladas!
Durmo e acordo
E estás em mim
Estigma aberto na alma
Desde que fui gerado…
Ninguém te vê nem te alcança
Só eu sinto
Crónica. Conto. Novela. Romance…
Dissertação científica.
Palestra.
Meditação.
Poema.
Nunca consigo dizer tudo
O que carrego escondido.
E levo comigo para onde vou
Confundido com aquilo que sou…
Invento sem cessar
Crio e n0 milagre de transformar
Renego. Acarinho. Grito. Choro. 
Mando embora a morte!
Amo até ao ódio
E de repente
Aquele novo ser aparece
Desaparece
Para diferente renascer
O texto que vou criar
Lanço no éter... No ar…
Ânsia de te alcançar
Comunicar?
(Bem diferente de dizer. Falar)
Não sei, nem me importa.
Só sei
Num jogo apertado.
Matemático. Exacto.
Que bato à tua porta
Solto para te oferecer
O que não se pode dizer
Mas apenas comunicar…
Te atingir
Como quem oferece uma flor
Só para te ver sorrir
Para te dar prazer
Depois na sombra sozinho
Me esconder
E de novo continuar
A criar
A escrever até a alma me doer!

Coimbra, 5 de Fevereiro de 2016…  Lucinda Ferreira







2 comentários:

  1. Querida amiga. Li....Achei uma apresentação fabulosa. Parabéns.. Não sou especialista em CP, daí não entrar em blogues, senão qd apresentados como foi o caso...Tenho também o tempo mt ocupado, mas confesso que gostei!. Beijinho. Quis telefonar-te não atendeste...
    Fim da conversa de chat

    ResponderEliminar
  2. "Os meus agradecimentos pelo magnífico texto da sua intervenção no lançamento do livro. Já estava com pena por não ter comparecido

    e assim fiquei ainda mais pesaroso".Professor Doutor Adriano Pedroso
    de Lima (comentário enviado por email que muito agradeço)

    ResponderEliminar