sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

As árvóres são minhas irmãs...







As árvores são minhas irmãs




. “A Natureza é o único livro que oferece conteúdo valioso em todas as suas folhas”.

Goethe
.Quando agredida, a Natureza não se defende. Apenas se vinga”
Albert Einsteisn
. “Para dar ordens à Natureza é preciso saber obedecer-lhe”
Francis Bacon



Estava no meu computador, quando a minha casa abanou.
Assustou-me, confesso.
O dia estava chuvoso. Triste. As janelas fechadas. O aquecimento ligado. Os meus gatos todos ao meu redor , no calorinho.
Entretanto, abri a janela.
O coração deu um pulo.
Os olhos marejaram-se de lágrimas...
”A minha Palmeira” acabava de ser abatida.
Aquela mesma Palmeira pela qual tanto lutei aquando da destruição do velho casarão da Conchada, onde vi crescer tantas pessoas cheias de dificuldades e sem qualquer conforto e que hoje têm filhos bem colocados .
Integrado, suponho num Projecto Europeu contra Pobreza , ergue-se hoje um edifício cheio de dignidade, que alberga ainda alguns filhos do Velho Casarão, mas também outras gentes .
E a linda e fiel Palmeira como um guardião vindo de longe no tempo - talvez 100 anos… - identificava o local , como uma sentinela.
Ao vê-la caiar assim sem porquê, a minha alma chorou.
Imediatamente, lancei o meu SOS para a QUERCUS, Junta de Freguesia e Câmara Municipal.
Durante uns tempos de sofrimento, surpresa e interrogações impotentes brotando do fundo do meu ser, chorei a “minha Palmeira”que avistava de a minha janela e que todos os dias de manhã saudava com carinho.

Passados umas horas, o telefone tocou.
Era o Director de Serviços do Ambiente e Qualidade de Vida da Câmara Municipal que gentilmente me ligava.
Embora já um Senhor, pai de família de jovens já bem crescidos, para mim ele continuava a ser aquele menino simpático, brincalhão, alegre e delicado que um dia tivera como aluno e por quem tenho muito carinho.
Aliás também a sua Mãe, minha Professora me marcara pela sua exigência, honestidade e dedicação.
Seu Pai , um militar distinto, era duro e exigente na educação do Toju e por isso sei que a preocupação de hoje do profissional atento e consciente, tem a minha gratidão e merecem -me todo o crédito as suas decisões, sem sombra de dúvida.
Então foi -me explicado que a nossa querida Palmeira, teve que ser sacrificada, dado um vírus altamente contagiante a ter atingido…

Atingiu a ela e a outras estátuas memorandas, espalhadas pela nossa cidade.
O vírus vindo do Egipto é responsável pela morte das Palmeiras do Algarve, Vila Nova de Poiares e aqui agora em Coimbra.
Mas não se fica por aqui…
Também os Plátanos vão ter que ser abatidos pela mesma razão: vírus assassino do mundo verde da nossa Terra.
E a desgraça vai alastrando e não escapam as laranjeiras.
Imaginem um vírus, designado pelo vírus da tristeza dos citrinos.

E já agora transcrevo, algo interessante sobre este assunto.
Ora leia..
“Escaravelho mata palmeiras algarvias


Praga de insectos deslocou-se do sul de Espanha, e foi detectada em Albufeira e Portimão. No país vizinho, escaravelhos foram responsáveis por milhões de euros de prejuízo.





Existem, pelo menos, cinco focos de escaravelhos considerados “mortais” para várias espécies de palmeiras, já detectados pela Direcção Regional de Agricultura do Algarve. A praga de insectos do grupo dos gorgulhos foi encontrada pela primeira vez, de acordo com o jornal “Expresso”, na Freguesia de Guia, Albufeira, no passado mês de Agosto.
Em finais de Setembro, a Direcção Regional de Agricultura e Pescas (DRAP) do Algarve voltou a detectar a presença de Rynchophorus Ferrugineus (nome científico) em palmeiras no concelho de Albufeira, com dois focos, e no de Portimão, com três.
Ao mesmo jornal, um especialista em insectos do Centro de Investigação em Biodiversidade e Recursos Genéticos (Cibio), da Universidade do Porto, afirmou que a espécie "é maior do que a generalidade das espécies de gorgulhos presentes em Portugal" e pode ter sido introduzida no país acidentalmente, através do comércio de plantas, ou pode tratar-se de uma progressão a partir de Espanha”, disse José Manuel Grosso-Silva.
O mesmo especialista acrescenta que o combate com químicos não é totalmente eficaz, razão pela qual é difícil acabar com a praga.
Especialistas da DRAP do Algarve vão discutir o assunto, de 22 a 26 deste mês, no V Congresso Nacional de Entomologia Aplicada, em Cartagena, Espanha, e efectuam uma visita técnica à região de Málaga, para tentar combater a chegada da praga às palmeiras algarvias.
Um escaravelho mortal
Proveniente do sudeste asiático, o Rynchophorus Ferrugineus tem uma preferência especial pela Palmeira das Canárias, muito comum em Portugal e Espanha.
A sua acção centra-se na base das folhas e interior do caule, e é especialmente preocupante porque bastam dois a três meses para que consiga secar uma árvore.
O problema adensa-se porque é difícil a identificar a infestação antes de uma fase avançada. Acabada “a refeição”, o escaravelho asiático desloca-se para outras palmeiras nas proximidades, tendo por base o olfacto.
A praga foi detectada na zona de Alicante em 1995, e propagou-se no sul do país tendo provocado avultados prejuízos. O combate à praga custou aos espanhóis cerca de 16 milhões de euros.
A Comissão Europeia já reagiu à praga e publicou em Maio medidas de emergência, entre elas a obrigatoriedade de quarentena no país de origem (se for um país terceiro) durante um ano antes da importação, e de mais um ano no Estado receptor, para tentar evitar a propagação do escaravelho asiático.”
…………………………………………………………………………………………………… Que mais nos irá acontecer?
Sobretudo as nossa queridas árvores, com a sua beleza e o oxigénio que tão generosamente nos oferecem.
Que será delas e de nós…
Lucinda ferreira