segunda-feira, 10 de agosto de 2009

Feira Medieval em Santa Maria da Feira




Fui com uma minha amiga a Santa maria da Feira para apreciar a Feira Medieval.
Não me lembro de ter ido alguma vez a esta localidade.
Tudo muito organizado, um lindo castelo lá no alto , bastante verdura, lindas vivendas e ...um dia de calor de estoirar.
O coração não gosta nada de calor e o meu até se ressentiu...
De qualquer modo , também é preciso dizer que a subida para o castelo, é ladeada por árvores gigantes , frondosas, de farta ramaria.

Muita , muita gente de uma região povoada tinha-se deslocado àquela Feira Medieval.
A minha amiga e eu, sentámo-nos a ver as o desfile de gentes variadas passeando.
Havia um ar animado no ar. Havia bastantes estrangeiros e muitas tendas espanholas.
Era interessante notar o espaço ocupado pela magia. Pedras, feitiços, ervas, etc - talvez mesmo, resquícios medievais.
Também 'os comes e bebes' tinham um espaço imenso ocupado e havia dinheiro para comer , beber, andar de charrette de cavalos, porque toda a gente se sentava alegremente comendo e conversando com animação.


Escusado será dizer que não havia lugar para estacionar, senão a léguas de distância . Tudo estava a abarrotar de gente por todo o lado.
Havia até o porco no espeto, mesmo ali à beira dos passantes, o que aguçava o apetite aos clientes que faziam fila para serem atendidos.
O negócio dava para todos.
A doçaria e as especialidades regionais da Guarda - queijos, presuntos, enchidos - também estavam bem representadas!

Várias regiões estavam reresentadas.

As tendas espanholas com especiarias , louças, enchiam a Feira de um chilrerar estridente da passarada, conseguido através do velho e conhecido pássaro em barro, cheio de água.

Uma zona de árabes e indianos ocupava uma das ruas largas, ladeando com tendas de artigos vários, do cimo ao fundo. Havia para todos os gostos . Para todas as bolsas.
Todas as crianças exibiam as suas espadas e escudos medievais, pois muitos artesãos tinham investido nestes artigos, condizentes com o assunto da Feira Medieval.
Também escutávamos gaiteiros e alguma música medieval por entre a voz insistente e contínua de uma senhora que nunca se calava , mandando retirar automóveis mal estacionados.

A moda pegara e toda a gente - jovens e menos jovens - traziam coroas de flores artificiais nas cabeças.
DE longe em longe, cruzávamos com um soldado vestido e armado, um cruzado, uma donzela de vestido comprido, rigorosamente caracterizados segundo a época medieval.
No final , havia um cortejo medieval que nós esperámos religiosamente. Só que nos disseram que o mesmo passaria em determinado lugar e por mais que esperássemos, nunca vimos nada. Já tinha acontecido noutro local.


De qualquer modo foi engraçado ver o povo que diverte-se com simplicidade.
Ainda ouvi um comentário de um jovem, já de saída:
- Gostei. Comemos bem. Passeámos e divertime-me !