quinta-feira, 6 de agosto de 2009

Desolada com a resolução do blog...será que alguém pode ajudar?


´Ha já dias que deixei de poder controlar o tamnaho da letra do blog, a cor das letras que escolhia sempre de acordo com o assunto...

Também não posso incluir fotos , senão de vez em quando...
E quando estou a escrever, aprecem uns caracteres dificeis de entender , como se fossem virus, que sei que não podem ser...

Alem de tudo não há nenhum serviço a quem se recorra, para perguntar como vencer estas dificuldades.
Também deixei de poder contactar com os blogs que têm as minhas preferências
Sera que alguem sabe ou pode deixar algum comentario?
O meu email é
linmare@clix. pt
Muito obrigada pela ajuda possível

Ninguém poderá entender Garcia Lorca , quando ele diz...VERDE QUE TE QUIERO VERDE...


...senão quando se viaja no Norte de Portugal , no Minho concretamnete!
Meus amigos, nesta época do ano, o Minho está tão verde, que nos esquecemos que pode existir outra cor além do verde e do azul do céu...
Um mar de verde se estende para onde quer que olhes.
Apenas o casario moderno corta a monotonia da cor verde.
Mesmo nas cidades, há imenso verde nos jardins cuidados.
Em Guimarães, uns velhotes que se juntam por ali, nos dias mais quentes , para gozar o presente do verde num jardim frondoso e fechado, quase choravam impotentes, porque diziam que os senhores poderosos, queriam matar o jardim.
Matar o jardim para quê? - perguntei
-Para fazer passar uma estrada, minha senhora.
E olhe , há duas estradas . Aqui uma do lado de cima e outra do lado debaixo do jardim
Nunca se pensou que algum dia , o jardim omde brincámos quando éramos crianças, pudesse ser assim destruido de repente.

Virei-me eu triste também , porque aquelas lindas e frondosos arvores tão grandes e tão antigas , estão à mercê desses senhores que não percebem nada do que é beleza e património, desculpem!

Achei interessante , as grandes pracetas amplas da cidade de Guimarães.
Lembrou-me muito a cidade de Alberca, em Espanha, na fronteira com a Guarda.
Também achei curioso, como é que num dia de semana, as espalanadas em pleno dia, estão a abarrotar.
Tive um aluno japonês , na Universidade, que me perguntava sempre surpreendido:
- Como é possível , durante o dia, tanto português ter disponibilidade para estar no café , na esplanda...
Também não sei.
Talvez estivessem em férias... todo o ano!