sexta-feira, 30 de abril de 2010

Teatro


Ontem apeteceu-me e fui ao teatro.

Teatro clássico na Faculdade onde dei aulas.

A Associação Cultural THÌASOS composta por estudantes, professores e funcionários da FLUC , de natureza universitária, divulga teatro greco-latino ou aí inspirado, tentando demonstrar a sua actualidade.

Ontem foi uma ante-estreia da obra Hipólito de Eurípides.

E quem é Eurípides?


É o último em data, dos 3 grandes poetas trágicos da Grécia . Nasceu em Salamina 480-406 a.C.

Deixou uma obra vasta.

Destaco apenas Ifigénia em Táurida, Efigénia em Áulis, Electra, Alceste, Hipólito Coroado, As Trioanas, As Bacantes,Andrómaca, Íon, Medeia,etc.

Apontam-se como as principais qualidades de Eurípides:

. a elegância de estilo

. a harmonia

. a habilidade em exprimir as paixões ...

No entanto também se lhe apontam como limitações:

. a prolixidade das falas das suas personagens

. a irregularidade da composição dramática

A obra a que assisti, uma tragédia , versão euripidiana conta uma história de amor, traição e ciúme de Fedra, Teseu e Hipólito.

A peça era representada por alunos portugueses e brasileiros.

Confesso que a pronúncia brasileira para um discurso também um pouco hermético, dificultou um pouco a compreensão do texto...

De qualquer modo , o nível representativo em geral, era excelente .

Esta obra Hipólito foi apresentada pela primeira vez , em Atenas , em 428 a.C.

Neste momento da história , a Grécia já nem precisa de ficção...

A tragédia da economia dá-lhes cabo da vida e da cabeça...e ao mundo também, se virmos bem.

Qualquer povo pode ir pondo as barbas de molho (...) e não me alongo mais, porque esta tragédia verdadeira, até tira o sono ao mais saudável...