quinta-feira, 22 de outubro de 2009

Rosas para o meu amor ... ensaio







1
Pag. 1
ROSAS PARA O MEU AMOR
Clara Zinger sempre rodeada de papéis, mexia mais uma vez no seu arquivo de há
cinquenta anos. Conservava cadernos com as suas primeiras letras, os textos que escreveu e
foram distinguidos pela professora e outras preciosidades importantes para ela. Procurava
no meio disso tudo, uma fotografia da mãe que adorava. Queria pintar o seu retrato a
carvão. Não é que as suas feições, o jeito de pegar na sua mão quando era criança, o seu
perfume, estivessem esquecidos. Para fazer um retrato fidedigno, era necessário conseguir
uma fotografia de que se recordava especialmente.
Às vezes, por querer guardar tão bem as coisas, acabava por esquecer onde as colocava.
Acontecia isso agora... Contudo era necessário insistir. Pintar aquele retrato era uma
ocasião para sonhar. Olhar a mãe em outras fotos tão diversas, evocando diferentes épocas
da sua vida, ajudava -a a reconstruir momentos importantes de certezas afectivas. Chegava
mesmo a sonhar com a mãe quando estava mais r triste e recuparava toda a sua alegria!
Foi directa ao baúzinho de cânfora. Logo ao cimo, estava um “Um ramo de rosas de Rosas”
vermelhas.
Havia um papelinho junto: “Rosas para o meu amor”, lia-se num cartaozinho
amarelecido~. 18 rosas vermelhas oferecidas por Carlos, no dia em que completei dezoito
anos”.
Ser possível o recordar na vida de todos nós, levou Clara a rever todo aquele tempo de
sedução e sonhos mágicos.
2
Pag. 2
Clara nascera na Alemanha.Filha de um casal apaixonado pela difusão da Língua e
Cultura Portuguesa e pela Cultura Alemã, Clara de nada se lembra já que os pais, após o
nascimento da filha tão desejada, tiveram de regressar a Portugal.
Pode ser muito interessante e com condições fabulosas o país de acolhimento de um
emigrante luso, mas o coração está sempre na Terra Portuguesa. Sempre que o regresso
deixa ver alguma esperança no fundo do túnel, aí volta o Português ao seu buraquinho.
Constrói a sua casa . Monta uma vida mais desafogada do que antes da partida para longes
e desconhecidas terras e gentes...
Clara crescera então até à ida para o colégio com onze anos, numa aldeia de Trás-os-
Montes, em contacto com os avós maternos, bem integrados na comunidade rural.
Recorda como com cinco anos, dormiu com os tamancos que a avó lhe comprara na Feira
dos Santos. Eram mesmo iguaizinhos aos das pessoas crescidas. Tal como todas as crianças,
era vê-la com os tamancos da mãe, a saírem-lhe dos pézitos e a fazê-la cair de vez em
quando.
Naquela noite, os tamancos foram o objecto do seu amor; como o seriam mais tarde os
papéis, os livros sobretudo, porque pedrinhas e até as flores oferecidas por alguém que
estimasse, especialmente em datas marcantes com um significado particular, nada punha
fora. Clara lutava contra isso. Todos somos diferentes. Há pessoas desprendidas que nada
valorizam e que nada conservam. Outros guardam todas as recordações com ternura pelos
sentimentos que estas ajudam a reviver , no mais secreto do coração...Isso fá-las mais
atentas à vida. Saboreiam do passado-presente o que é belo. Repete-se o mesmo Aquelas
rosas evocavam com simplicidade, sonhos, entusiasmo e até a promessa de felicidade.
Carlos servia a Força Aérea. Era mais velho do que Clara.
3
Pag. 3
Tinha os olhos tão azuis como um pedaço de céu em dias límpidos. Tudo em harmonia com
a sua bonita farda a que os sonhos das jovens não eram indiferentes…As meninas da
aldeia desejavam a atenção daquele que ao passar na rua, lhes fazia pulsar mais forte o
coração de olhar brilhante ao assomarem janela. Carlos passava indiferente, sem sequer se
aperceber que desencadeava sentimentos tão fortes, fervendo em peitos imaculados e
redondinhos.
Havia uma miudita de dez anos, Júlia, que morava também na aldeia. Essa tinha muita
sorte. Parecia ter uma fixação no rapaz muito mais velho do que ela. Dizia que era a
namorada de Carlos. Ele achava-lhe graça. Cobria-a de atenções e até lhe pegava pela mão
levando-a a passear.Nessa altura, ninguém falava de “Pedofilia’.Seria um crime macular
aquele relacionamento. Júlia era a bem amada.
Um dia, Carlos desenhou um coração numa árvore da Praça Nova. No jardim onde se
juntavam os mais jovens, nas tardes de domingo .Apareciam dois nomes: Carlos e Clara.
Teve o efeito de uma bomba, aquele gesto simples.
Uma desilusão para as raparigas que se viam, já de mão dada com Carlos, umas; outras, a
subir os degraus do altar.
Carlos pôs os olhos em Clara Zinger. Ela não rejeitou a escolha. A emoção no peito de uma
jovem de dezoito anos, foi muito forte. O namoro, o noivado decorreram ao compasso do
tempo que se ia escoando por entre os dedos, na vida de dois seres embalados pelo
encantamento de todas as fases do enamoramento e da paixão.
………………………………………………………………………………………………..
Clara tem agora 65 anos.
4
Pag. 4
Anos 60 e 70, de um romantismo respeitador em que se morria de amor e por amor, os
namoros, as relações, as vivências naquela aldeia de Trás-os-Montes eram levados muito a
sério.
A Televisão, as migrações, as facilidades de comunicação, a internet e outros meios
evoluindo rapidamente, mudaram a face dos relacionamentos. Não serão melhores ou
piores.Terão uma expressão diferente. Os costumes dos portugueses, nesta ponta da
Europa tendo o mar como barreira, há anos atrás, eram conservadores, comedidos, com
algum bom gosto para alguns, revestidos de respeito por tudo e por todos. Existiriam
limitações, mas sabia-se com o que se contava. Tinha uma certa especificidade a alma lusa
que hoje se vai esbatendo, na era da globalização. Prezava-se a palavra dada, a honra,
respeitavam-se os idosos, as relações de vizinhança e a solidariedade eram uma realidade.
Havia em Portugal menos misturas de raças. No mundo rural todas as pessoas se
conheciam. Parentes quase todas elas, ajudavam-se nas tarefas do campo e até nas
actividades comunitárias, hoje apontadas apenas como referência históricas do
antigamente.
Clara ficava à janela à espera de ver passar Carlos.
Carlos olhava-a com ternura e respeito. O amor despontava lento. Arrumado. Sereno.
Tal como as grandes árvores que crescem lentamente, aquele amor ia-se edificando aos
poucos. As famílias também se namoravam. O amor era forte e seguro para toda a vida. Os
laços iam-se soldando no dia a dia. Suportavam-se as dificuldades com generosidade e
dedicação. No final até dava certo, entre gente simples e de bons costumes. Nos anos 60, de
um modo geral, os homens e as mulheres que faziam as suas opções afectivas era para toda
5
Pag. 5
a vida. Defenderão alguns, hoje em dia, que há menos cinismo e hipocrisia. Há também
mais solidão. A solidão é a irmã gémea da liberdade.
Mas se fôssemos dar uma espreitadela ao desenrolar das vidas dos nossos amigos Clara e
Carlos?
Clara, com sangue alemão de seu tetravô, era uma jovem sensata, sensível e dedicada ao
estudo. Levava o amor a sério. Aprendera a confiança na família e no colégio. Dezoito
anos já lhe concediam uns certos privilégios. Para namorar, cheia de recomendações dos
pais e dos avós, foi o mais difícil. A família receava que Clarinha se distraísse nos estudos,
com o namoro. Carlos era muito considerado. Como não estava sempre por ali, já que
cumpria a vida militar, até dava umas certas garantias em termos de intimidade a vigiar e
a dificultar. Mas no dia de anos, Carlos pôde entrar em casa da Clarinha.
Também ficava nervoso ao ver Clara linda, fresca e apetitosa. Na tropa, os rapazes têm as
suas liberdades… A vida desnuda-se e abre-lhes os olhos. Há experiências várias...mas com
Clarinha, Carlos era comedido.
Carlos esperou que todos saíssem da sala, puxou Clara para si e... beijou-a nos lábios!
- Carlos, por favor tem maneiras. Se os meus pais vêem, não te deixam cá entrar
mais.
- Ninguém viu, querida. Deixa-me abraçar-te só uma vez e dar-te mais um beijo.
Clara só de tocar na mão de Carlos, sentiu um choque de uma voltagem tão alta que ainda
hoje ao falar nisso, se altera um pouco . Sente um rubor disfarçado que não deixa de a
agitar.
Os netos acham graça. Pedem à Vóvó para contar a sua história. Ela inventa. Mistura de
verdades e experiências diversas. Os miúdos adoram.
6
Pag. 6
Foi nesse dia memorável do primeiro beijo, que Carlos escondendo 18 rosas vermelhas
debaixo do sobretudo, surpreendeu Clara e a encheu de alegria.
- Fecha os olhos, Clarinha! Conta até dezoito! Vá lá ... 1 ... 2 ... 3…
Enquanto ela fechava os olhos, Carlos aproveitava para lhe dar mais um beijito inocente e
carinhoso na face. Clara não cabia em si de felicidade. Ao chegar a dezoito...procurou a sua
boca e muito suavemente… tapou-a com um beijo quente, doce, inesquecível!
Depois desse dia, o namoro oficializou-se. As outras raparigas invejavam a sorte de Clara.
Carlos era cobiçado por várias... mas Clara foi a eleita. Carlos empenhara a sua palavra
com Clara, com os Pais, com a Família. Queria casar, constituir a sua família. O
testemunho tem uma força tremenda. Vale por mil palavras! Carlos pertencia a uma
família respeitável , muito conhecida, com várias gerações sempre certinhas.
Depois de 2 anos de namoro, veio o dia feliz de um casamento por amor.
A vida decorria com normalidade. Um casal que avança ligado pela descoberta e pela
beleza de uma união em que os ideais semelhantes ajudam a ultrapassar as diferençlas e as
dúvidas. Mas, num dia de Inverno, ventoso e triste dentro e fora daqueles dois jovens
apaixonados, Carlos foi obrigado a partir para a guerra colonial.
Na altura, era um buraco negro, engolindo filhos, pais. Irmãos, noivos e maridos! Um
susto, um pesadelo, um monstro de mil cabeças, aquela guerra. Ninguém percebia a razão
por que havia de morrer a nossa juventude num local longínquo, empurrados por uma
política severa, numa economia que deixava tanta gente mergulhada no medo, na dor e na
miséria.
Era assim Portugal: O susto da Polícia Interna do Departamento de Estado (PIDE) ;A
guerra arrancando e torturando filhos, pais, maridos e noivos. Alguns nunca mais
7
Pag. 7
voltavam! Muitos mesmo! Clara estremecia pelo seu Carlos. Ouvir nomes de soldados
mortos na guerra, era um sufoco. Mesmo que não fossem conhecidos, deixava uma
angústia, uma revolta e uma raiva em quem escutava listas intermináveis de mortos que se
escoavam em sangue lá lonmge…. Vidas ceifadas na flor da idade, todos os dias! Durante
anos!
Além de tudo, Clarinha já não ficara só. Dentro dela, Carlos deixara uma sementinha que
crescia para se tornar mais tarde, uma linda flor!
Carlos comunicava regularmente com a família. Um ligeiro atraso era sufocante a dobrar.
A a nascer no silêncio mais fundo da mulher amante e esposa. O pesadelo do cansaço ia-se
avolumando com o passar dos dias. Um dia, Clara recebeu um telegrama.
O coração estremeceu-lhe. Sem força para o abrir, foi a correr a casa do melhor amigo de
Carlos, Diamantino, para que ele o lesse. Ela não conseguiu!
Diamantino desdobrou lentamente aquele pequeno papel, sentença e carrasco, Empalidecia
Os seus lábios tremiam. Quase sem voz… As lágrimas teimosas saltaram-lhe dos olhos
como uma fonte incontida, antes de pronunciar uma palavra.
- Clarinha, tens que ter muita paciência . Ser muito forte. Teu marido é dado como
desaparecido numa operação. O avião em que seguia caiu no mar. Nada se sabe do pessoal
que ia a bordo. Há já dias que fazem buscas infrutíferas. Tens-nos a todos nós. Tens que ter
coragem, Clarinha. Tens uma filha para criar. Ela precisa de uma mãe serena. A vida tem
que continuar.
Clara não tinha mais lágrimas para chorar. Num sufoco que tentava esconder da sua filha,
Teresinha, a quem sempre dizia: “O Papá está quase a voltar .Vai brincar muito com a
menina”. Que havia agora de dizer, quando ela perguntasse pelo papá? Diamantino
8
Pag. 8
emocionado junto de Clara, dava-lhe palavras de conforto e de segurança,. Tentava
incutir-lhe determinação . Coragem.
Estava certo que o seu amigo Carlos faria o mesmo , em situação inversa. Depois, mudou o
discurso e ainda adiantou: - ‘Clara, quem sabe ele ainda vai aparecer? Há casos assim.
Desapareceu. Ninguém o viu morto em combate como a maioria dos militares, que depois
inteir ‘os ou não, vêm em caixões para a nossa terra’.
Tentava imprimir força às suas palavras sem grande convicção. A dor era comum a todos
os que tanto amavam Carlos. Diamantino, um médico ‘João Semana’ lá da zona, era um
homem bom.Honrado e sobretudo de grande dedicação a toda a família de Carlos , a quem
queria como a um irmão. Unidos pela mesma tristeza
tentavam vencer a saudade. Ajudavam-se
mutuamente.
Aquela ideia de que Carlos podia estar vivo não dava
sossego a Clara que amava de verdade o seu marido.
Não conformada com aquela perda, movia céus e terra
para saber novidades. A resposta era sempre a
mesma.:-Nada conseguimos apurar relativamente ao
Major Carlos Vasconcelos, desaparecido em missão,
9
Pag. 9
quando prestava serviço.’ Era a resposta habitual das
Forças Armadas.
Deprimida, era Diamantino, o amigo e o médico, que
lhe punha a mão. Escutava os seus desabafos. Passava
muitas vezes lá por casa para ver a Teresinha a quem
também já se afeiçoara como a uma filha. O tempo
decorria sem qualquer novidade sobre Carlos.
A proximidade entre Clara e Diamantino lentamente,
ia tomando contornos diferentes…
Um dia, ele olhou-a como mulher bonita, como o era
Clara. Diamantino passara a vida a cuidar dos outros,
nem dando pelo passar dos anos. Vivia com a mãe e
uma velha, a empregada que o criara. Nenhuma
mulher entrara no seu coração, a ponto de o levar ao
10
Pag. 10
casamento. Agora, Clara estava a tirar-lhe o sono. Não
lhe saía do pensamento mal acabava de fazer qualquer
coisa. Já se via lado a lado com ela. Sabiam-lhe bem os
miminhos que ela sabia preparar para ele. Depois era
uma companheira delicada. Inteligente. Com quem se
podia falar de qualquer assunto. Era culta e sensível.
Agora até o seu perfume o seduzia. O fazia sentir
qualquer coisa de diferente, como nunca se tinha
apercebido antes. Talvez na adolescência isso lhe
tivesse acontecido. Nunca chegara a tomar forma.
Esbatera-se.
Clara apercebera-se de tudo. Pensava no seu Carlos,
mas…não sabia muito bem o que fazer…Se ele já não
pertencia ao mundo dos vivos? Nunca deixaria de o
11
Pag. 11
amar em silêncio ou aquele outro amor faria o milagre
de a ajudar a esquecê-lo? Dividida, em conflito entre
aqueles dois amores, olhava Teresinha com uma
ternura imensa e…cansada, deixava correr. O tempo
ia passando. A família começou a aperceber-se. Até a
ver com bons olhos aquele segundo enlace, embora a
recordação de Carlos nunca se apagasse
completamente. Afinal não era Diamantino o melhor
amigo de Carlos? A vida não pára. O tempo cura
todas as mágoas.
As coisas foram tomando outra feição. Um dia de
Primavera deixando um perfume doce no ar, e as
flores a explodirem em cor, Clara, viúva, subia de
novo os degraus do altar para desposar Diamantino.
12
Pag. 12
Discretamente Clara entregou Clarinha aos avós.
Partiu em segunda núpcias para o Brasil, gozando a
sua lua de mel. Era fácil a relação carinhosa, segura e
com muito companheirismo.
Pouco tempo passado, nascia o fruto daquele amor.
Um rapazito tão parecido com o pai, que este se sentia
renascer, naquele ser frágil e angélico. Teresinha que
tantas vezes pedira um irmãozinho, estava radiante.
Muito feliz com a chegada do Pedrinho, seu irmão.
Agora numa linda casa, no meio de flores e de um
grande relvado, as crianças brincavam.
Cresciam embaladas pela passarada, num ambiente
agradável cheio de alegria e de amor.
13
Pag. 13
Um dia, o carteiro tocou a campainha. Entregou uma
carta dirigida a Clara. Um carta sinistra que rezava
assim:
“Clarinha, meu eterno amor:
É graças ao sentimento que sempre nos uniu, que ainda
estou vivo.
Saboreio já a emoção e o encantamento do nosso
encontro que será para breve! Conto os minutos e os
segundos que nos separam. Sei que depois teremos uma
eternidade para nos amarmos. Nunca mais nos
separaremos! E a nossa Teresinha, esse Anjo que eu
trouxe escondida no mais fundo do meu coração? Dizlhe
que dentro em breve a tomarei nos meus braços.
Deve estar uma senhorinha.
14
Pag. 14
As coisas por que passei e o quanto sofri, ficam para
depois. Agora é só a pressa de te dizer que estou vivo.
Que te adoro! Sei o que isso representa para Ti. Não
quero que sofras mais um segundo, pela incerteza da
minha vida. Dentro em breve poderei morrer, mas
enlaçado nos teus braços, amor da minha vida, por
quem e para quem sobrevivi!
Já me faltam as palavras para te falar das saudades. Do
quanto o meu amor está vivo para Ti! Estou certa de
que o Diamantino, o irmão que eu não tive mas que
sinto como tal, terá sido uma presença amiga para te
apoiar e à Teresinha. Sei e sinto o quanto lhe devemos .
Como lhe estou grato! Só quando o puder abraçar, ele o
sentirá também.
15
Pag. 15
Dos beijos e do calor amoroso que te devo, só à vista te
poderei compensar, meu amor primeiro, a quem devo a
criança mais linda com que um dia me presenteaste.
Não me alongo mais. Logo que puder, te direi quando
chego. Como poderás fazer para me ires esperar!
Teu marido que te adora, Carlos.”
Clara tremia. Tremia sem articular palavra. Entrou
no quarto. Deitou-se. Chorava e…Agradecia a Deus
que poupara a vida de Carlos. De repente, via o corpo
de Carlos com o rosto de Diamantino. Numa certa
confusão mental, sentia-se desmaiar. Sem forças
sequer para contar a Diamantino. Entretanto este
insistia telefonando para dar a feliz nova de que o
16
Pag. 16
homem da agência de viagens, acabava de entregar os
bilhetes para a viagem ao México, já há tempos
programada. Como não obtivera resposta, o que não
era habitual, dera um pulo a casa.
- Clarinha! Clarinha, onde estás, querida?
Correu a casa toda. Entrou no quarto. Viu Clara
banhada em lágrimas sem sequer poder falar. Olhou
num relance para a mesa de cabeceira e…
“Clarinha , meu eterno amor:
É graças ao sentimento
que………………………………………………………
………………..
Pegou na carta … leu-a toda de um fôlego.
17
Pag. 17
…Recordou-se da alegria com que no dia anterior,
saboreavam a bênção de mais um filho, visionado na
ecografia . Que mexia tomando forma dentro de
Clarinha...
… Revia a promessa feita a Carlos aquando da
partida para a guerra. Sentia a amizade que os unia
desde a crianças…
…Preocupava-se com o prejuízo que esta emoção
podia causar ao filho, participando já desta dor pelo
tamanho choque, dentro da mãe…Infelizmente pensou
bem como médico, pois o bebé não resistindo ao
choque , acabou por se transformar num nado -morto
,por mais que se lutasse para que isso não acontecesse.
18
Pag. 18
... O desespero e a mágoa que esta situação causaria a
Carlos, não lhe eram indiferentes…
…Depois não sabia que dizer a Clara…nem à restante
família…
Ficou especado no meio do quarto, em absoluto
silêncio.
De repente, Clara pressentiu que não estava só.
Rompeu de novo a chorar… a chorar…
- Clarinha, tem calma. Alguma solução se há-de
encontrar. A consciência não nos acusa de qualquer
traição. Isso é o mais importante, querida! Há
crianças envolvidas. Não te vou perguntar se me amas
ou se amas mais ao Carlos. Isso seria cruel. Quero
agradecer-te toda a felicidade que me deste . Sem ti,
19
Pag. 19
nunca vivera. Sei que ninguém aguenta uma vida com
outrem, por compaixão. Dois homens amam
intensamente a mesma mulher. O coração dela até
pode amar os dois…mas neste momento... ainda não
sei como vamos fazer.
Clara levantou-se cambaleando. Pôs os braços à volta
do pescoço de Diamantino. Apertou-o muito. Depois,
soluçando atirou-se para cima da cama, murmurando:
- Carlos, nunca te traí. Sempre te amei . Te procurei
até aos confins do mundo! Onde te esconderam, dizme!
Como foi isto tudo possível, diz -me! Quantas
noite, clamei e chamei por ti! Não me ouviste?.
20
Pag. 20
O Bouquet que um dia me ofereceste, foi um talismã
que me prendeu à vida. Ajudou-me, sonhando com o
teu regresso. E hoje…Carlos…
Só o silêncio respondia. Ainda ninguém na família
sabia deste drama.
Nem sequer podia transferir o peso da decisão para a
Igreja que se recusara a administrara o sacramento de
matrimónio, por não haver prova do óbito. Sabia que
nenhum casamento seria válido estando vivo o outro
cônjuge. Crente como eram todos, concluiriam que o
seu segundo filho, Pedrinho, era filho do adultério?!
Clara recordava-se do Teatro de Almeida Garrett , O
Frei Luís de Sousa Compreendia no mais fundo da sua
carne, a força daquela obra que por ironia, sentia
21
Pag. 21
agora na sua vida real. Recaía sobre ela, todo o peso
da decisão final?
“O Náufrago” e “Pearl Harbour” tratariam a mesma
temática, mas quem escreve a vida sempre a repete em
cada novo acontecimento. Revive páginas de modo
diferente. Renovado. Com um rosto particular.
Original.Sobretudo com Clara, o mais dramático, é
que ela não escreve, vive a tragédia. Joga com a vida
de todos os envolvidos. Cada um deles é um pedaço de
si mesma. Cada um ocupa um lugar especial no seu
coração.
Diamantino com alma a sangrar, sorriu e
tranquilamente e adiantou para Clara:
22
Pag. 22
-Sabes, querida Clarinha, sempre desejei trabalhar no
projecto “Médicos sem Fronteiras”. Vou partir o mais
rápido o possível, de modo a facilitar a vida a todos.
Tenho a certeza que o meu filho será tão amado por
Carlos, como o fora Teresinha, que considero como
minha filha.
Clara, muda, olhava o vago. Pedia a Deus que lhe
desse força e luz para enfrentar tudo isto. Magoada
ainda pela perda de seu segundo filho, as forças por
vezes, faltavam-lhe. Só a fé fora porto seguro.
Diamantino virou céus e terra. Rapidamente
formalizou a sua ida para o Iraque. No dia da chegada
de Carlos, acompanhou Clarinha que fora buscar
Carlos ao aeroporto militar de Figo Maduro! A
23
Pag. 23
chegada e o encontro foram tão dolorosos e
constrangedores para os três, que não nos atrevemos a
usar palavras. Pedimos ao leitor que pondo-se na
situação de cada uma destas personagens do triângulo
amoroso, imaginem o que cada um terá
sentido…Sentimentos em que se misturava a alegria, a
culpa, o constrangimento, a compaixão e uma certa
impotência perante a situação que tinha que ser
enfrentada, vivida, assumida. Se somos nós que
atraímos o nosso destino, agora na encruzilhada,
ficava difícil escolher o rumo certo, sem sofrimento.
Talvez o sofrimento seja para ser integrado. Assumido
até ao fim
24
Pag. 24
Diamantino já não teve coragem de regressar.
Desculpou-se com a partida imediata, embora esta só
tivesse lugar dentro de dias. Entretanto, Teresinha e
Pedrinho ficaram em casa com os avós. Estes
emocionados, mergulhados numa dor estranha, numa
alegria inexplicável ao mesmo tempo, tentavam
preparar as crianças para a chegada de Carlos…
O encontro entre Clarinha e Carlos teve contornos
estranhos de um sabor agridoce…
A chegada a um ambiente diferente do que deixara,
inibia a Carlos. Não conseguia ser feliz sobre a
infelicidade do amigo, mas… e a Teresinha? E o amor
da sua vida, Clara?! Aquela por quem insistiu em
estar vivo!
25
Pag. 25
Ah! Mas agora havia mais um criança, Pedrinho.
Ao conhecer toda a verdade, Carlos propôs a
Clarinha, retirar-se. Esta não consentiu. O tempo foi
decorrendo. De vez em quando, Diamantino dava
notícias. Perguntava pelos meninos.
Clara tudo fazia para ser atenciosa e amiga de Carlos
que a amava sem qualquer partilha. Com uma tal
grandeza, como se nada tivesse acontecido. Este amor
puro e dedicado ajudava Clara que também não
esquecia Diamantino e a sua renúncia. A eterna
partilha do ser humano que sofre com a dualidade.
Seu destino é estar inteiro em tudo. A sua meta, a
unidade! A vida nem sempre o permite. Ou somos nós
que atraímos as situações, para testar, escolher entre
26
Pag. 26
as trevas e a luz, sabe -se lá.Com o livre arbítrio sempré
alerta.
Os maus tratos por que passara Carlos, prisioneiro de
uma tribo inimiga, deixaram marcas muito sérias na
sua saúde. Houve momentos muito duros para todos ,
sempre partilhados com carinho.
Começaram a saltar de médico em médico. As coisas
pioravam de dia para dia. Clara redobrava de
cuidados. Extremosa. Dedicada. Sempre atenta. Cheia
de atenções para com Carlos que se sentia bem
amado…mas dia, numa Primavera linda que
despontava cheia de promessas, de cor, perfumada, o
físico de Carlos não resistiu e...adormeceu para
sempre!
27
Pag. 27
Diz-se que só morremos quando queremos. Aqui não
sei como terá sido.
Diamantino comunicava de vez em quando, com
descrição. Clara e os filhos estavam presentes e vivos
em sua vida.
Alguém se apressou a comunicar-lhe a partida de
Carlos.
Apressou-se a regressar .
Logo que pôde, chegou. Mais uma vez, apoiando
Clarinha, a mulher da sua vida, como médico, como
amigo, como…marido…como amante, na acepção
mais pura da palavra.
Quantas noites sonhara apertar Clara contra o seu
peito vazio, mas povoado de odores, leveza, ternura
28
Pag. 28
partilhada. As mais doces recordações de toda a sua
existência alimentaram a solidão amarga e forçada,
truncado de tudo o que lhe era caro.
À chegada, o abraço apertado de seu filhote, Pedrinho,
e de Teresinha, fez esquecer tudo!
Vê-los crescer. Apreciar as traquinices, descobertas,
dar-lhes atenção fazia seu coração rejuvenescer.
Agradecer a Deus e à vida, tanta alegria.
Compreendeu que a vida é isto mesmo: aceitar as
dificuldades com serenidade. Enfrentá-las. Resolvêlas.
Fazer de cada dia um ocasião diferente, como se
fosse sempre o primeiro e o último dia da existência.
Aprender as lições. Agradecer. Perdoar. Amar mais e
melhor com aquele amor incondicional que torna o ser
29
Pag. 29
humano livre e eterno. Conclusões tiradas a partir do
sofrimento que não vem até nós, nunca por acaso.
Função de depuramento. Chamada. Motivo de
crescimento. Reflexões inestimáveis que o seu
afastamento lhe trouxera. Rico tesouro que mudara a
sua perspectiva existencial.
Muitas foram as leituras que deram um novo sentido à
sua passagem pela Terra.
Por vezes é preciso um grande abalo para o ser
humano acordar. Aos que buscam com avidez a Luz, a
Paz e o significado da vida , mesmo quando são felizes,
é-lhes poupado esse sofrimento apelativo para a
mudança.
30
Pag. 30
Diamantino compreende agora que o sofrimento é
uma chamada de atenção amorosa da própria vida.
Um degrau Para crescer. Estar atento aos sinais.
Querer. Aceitar. Perdoar. Descobrir continuamente o
lado belo, bom , precioso da vida são condições da
nova postura.
Masaru Tanigushi, Brian Weiss, Deepack Chopra,
Louise Hay, Lauro Trevisan, Gloria D. Karpinski,
Augusto Cury, entre muitos autores que descobriu,
mas sobretudo o apelo da eterna mensagem sempre
viva e aplicável do grande MESTRE de todos os
tempo, Jesus Cristo, fizeram o homem novo ,
renascido que era agora Diamantino!
31
Pag. 31
Um novo guerreiro da Luz, que quer passar o
testemunho à sua companheira. Não com palavras
,mas com a força do amor que é a única que muda o
imutável.
Ele sabe que o exemplo vale mais do que mil palavras.
Redobra de cuidado , carinho e o seu amor é o grande
facho que premeia e ilumina os dias desta família que
vive na abundância de tudo o que se aspira neste
plano: amor, segurança, verdade e uma generosidade
que se afina no dia a dia.
Nesta atmosfera, Clarinha é envolvida no manto fino
da bondade atenta de Diamantino, que assim
aproveita para crescer ele também, em cada dia ,
sempre como se fosse o último…Ausência de críticas,
32
Pag. 32
mas a pedagogia do amor em marcha. Diamantino que
sabe que a negatividade é prejudicial, compreendendo
um pouco as quedas, neste campo, de Clarinha pelas
dificuldades que a tinham marcado, sabiamente vai
ajudando , atento ao esforço de adaptação e
crescimento de Clara. Também essa atenção é motivo
de crescimento para ele. O ser humano em perpétuo
florescimento…. Diamantino, motor permanente de
mudança levara Clara a admirá-lo ainda mais, às
vezes quase como um guru que se ama. Criaram um
verdadeiro oásis naquele entrançado familiar.
Afinal a família é um local que se escolhe para evoluir
e crescer pelo que pede de generosidade e de atenção.
33
Pag. 33
Quando falha isso, alguém – sobretudo os mais novos -
vai ficar defraudado. Marcado. Sofrido. Magoado
para toda a vida, até deslindar o nó da sua
problemática.
No meio de acontecimentos inesperados , a vida tomou
outro rumo , apenas pela mudança interior, autêntica
de um elemento que alargou a sua consciência . O
fermento. Foi criada harmonia numa família feliz!
Para evoluir tudo precisa de atenção e amor.
Até as plantas são sensíveis às mensagens de carinho.
Nos animais, isso ainda é mais evidente.
O tempo não perdoa. Voa quando a vida é feliz.
Preenchida.
34
Pag. 34
Lado a lado, usufruindo e descobrindo a beleza do
amor no casal, a ternura de ver crescer as crianças,
foram a bênção de uma idade já madura.
Cansados, desgastados como esfinges ao vento, os
mais velhos estavam serenos e felizes, assistindo ao
sucesso dos novos. Fortes. Cheios de esperança na
vida, mesmo quando ela prega partidas e traz
surpresas…
È certo que houvera momentos duros de ultrapassar,
mas houve sempre amor rodeando as crianças.
Quando os percalços surgiam , os avós eram o abrigo ,
o ninho que protegia, acolhia e amava ainda mais as
Crianças, que assim aprenderam que às vezes as coisas
35
Pag. 35
podem ser difíceis, mas nunca intransponíveis quando
todos estão unidos.
Essa fora a lição que as suas almas carregavam hoje.
Numa tal família, laboratório seguro, mesmo com
alguns desaires, crianças e jovens equilibrados,
promessa de homens e mulheres dum amanhã sereno,
de grande sucesso. Teresinha e Pedro preparados para
lutar e vencer!
Toda essa harmonia enchia de júbilo o outono de
Diamantino e sua esposa.
Clarinha Zinger revivia novas aventuras que
acompanhava com amor, acompanhando de perto
aqueles em quem seu sangue estava vivo! Recordava
emoções fortes que a ajudaram a viver. Tentava
36
Pag. 36
esquecer as dores e as dificuldades. Só lembrava os
momentos mais lindos. E foram muitos também.
Envelhecia, segura do amor que a rodeava dos mais
velhos e dos mais novos, numa família serena. De vez
em quando, mexia nas suas gavetas. Falava sozinha
com uma ternura renovada e até uma pitadinha de
saudade. Entre as recordações já quase a desfazeremse,
lá estavam as dezoito rosas vermelhas! Elas eram
testemunhos de uma parte da sua caminhada. Do seu
primeiro amor símbolo de duas vidas. Sinal suave de
um amor vivido com entusiasmo. Certezas. Pureza
juvenil. Hoje, a propósito do Ramo de Rosas no baú,
Clarinha revive uma das fases da sua vida. Sente que o
amor é sempre o mesmo. Sabe muito bem agora que só
37
Pag. 37
o amor é estímulo para uma vida com sentido. Em
plenitude. Mesmo quando ele tem um rosto diferente.
Cada idade tem a sua forma de expressar a ternura. A
intimidade. A expressão amorosa. Clara sabe que só se
envelhece quando já não se têm sonhos. Recorda
momentos duros e intensos que a vida lhe trouxe. Sabe
muito bem que foi a consciência em paz, que sempre a
ajudou a ultrapassar os momentos mais dramáticos.
... A história de Um Ramo de Rosas…- ROSAS PARA
O MEU AMOR- foi apenas início da vida de uma
mulher sensível...Coerente. Dedicada. Cheia de amor
por tudo. Por todos!
As palavras são como as cerejas…
Vermelhas!
38
Pag. 38
Carnudas!
Docinhas…

Lucinda Ferreira em Agosto de 2008