domingo, 8 de maio de 2011

Afinal quem são os nosso jovens?



Afinal quem são os nossos jovens?

O que deve caracterizar a juventude é a modéstia, o pudor, o amor, a moderação, a dedicação, a diligência, a justiça, a educação. São estas as virtudes que devem formar o seu carácter.
Autor: Sócrates
A juventude se reconhece por 3 sinais essenciais: a vontade de amar, a curiosidade intelectual e o espírito de audácia.


Se na realidade, os nosso jovens são um modelo de comportamento, não é isso que mostram…
Hoje é domingo, o dia do cortejo da Queima das Fitas em Coimbra.
Mudaram algumas coisas, nesta festa académica.
Até o dia do cortejo.
Antes, o cortejo era sempre á 3ª feira e os “doutores” iam às salas de aula, libertar os mais novos, para poderem ir ver o cortejo.
Hoje isso já não é necessário…Não reina essa poesia, essa ligação, essa ansiedade tão gostosa daquela época.
Há uma coisa que me choca hoje em dia:
Antes, os estudantes universitários, distinguiam-se pelas suas maneiras educadas, pela sua solidariedade com os mais desprotegidos.
Havia sempre um/uma mascote na Academia que andava feliz com os doutores. O TEIXEIRA, o Tatonas….ainda foram do meu tempo.
As meninas vendiam a Pasta a favor da Casa Elysio de Moura e de facto as universitárias, com raras excepções, eram distintas nas maneiras, no trato e no comportamento.
Talvez possa haver excepções, mas serão mínimas e por isso hoje, dá nas vistas a maioria que se distingue pelo menos bom…

Hoje, meus amigos, as meninas falam pior que os carroceiros.
Fazem disso bandeira, como sinal da sua superioridade e independência.
Não respeitam ninguém. São atrevidas, rondando o ordinário.
Embriagam-se. Despudoradas, fazem sexo na relva, à vista de toda a gente. São grosseiras e libertinas, por vezes mais atrevidas do que os rapazes. Isto, porque pensam que assim dão provas da sua emancipação ou talvez porque como já não tiveram quem as educasse nem na Escola , nem na Família, andam à rédea solta.
Já ninguém tem autoridade para lhes dar uma palavra noutro sentido. Confesso que não me encanta nada este estado de coisas e pergunto me se os meus netos e neta, terão estes mesmos comportamentos ou como se costuma dizer “Como é de pequenino que se torce o pepino”, vamos ver se isso resulta e se, agrupam com colegas que sintam alegria noutras brincadeiras e comportamentos, fazem a festa com um pouco mais de nível.
Oxalá!
Mesmo que eu já não esteja neste plano. A semente já foi lançada há muito …
È certo que são jovens que brincam despreocupados na sua Queima das Fitas.
E não queremos ser críticos em demasia, mas tudo o que é demais, parece mal, costuma dizer-se.
Uma juventude sem ideal, é mau prenúncio.
Que adulto vai gerar?
Se os tempos estão difíceis, a verdade é que o desregramento em excesso, também não conduz a nenhum caminho de sucesso.
O carácter tem que se firmar enquanto somos jovens.
Senão meus amigos, há que reflectir, quando a vida já deu tantas marretadas que não há outra hipótese…
Quem sabe, mais tarde haverá um caminho de retrocesso para o reencontro…ou então será o descalabro até ao fim.
Sinto alguma tristeza ao escrever este artigo…
Talvez seja esta consciência de que fala Augusto Cury que me doa…
“A maioria dos jovens da actualidade não tem sonho, nem maus nem bons.
Eles não têm uma causa para lutar. “
Augusto Cury
linmare@edicomail.net
blog:http://lucinda-umaponteparaoinfinito.blogspot.com