domingo, 26 de julho de 2009

Hoje fiz uma viagem no tempo...




Em 13 de Abril de 1283, D Mor Dias obteve licença para mandar construir , na margem esquerda do rio Mondego ,em Coimbra, um mosteiro dedicado a Santa Clara e Santa Isabel da Hungria.


Polémicas várias acabaram por o encerrar em 1311.


Dona Isabel de Aragão empenhou-se na sua reconstrução e em 1314, o mosteiro retomava as funções para que fora eregido: acolher senhoras da nobreza solteiras que para aí eram enviadas, ou viúvas que professavam para o resto das suas vidas.Também eram admitidas pessoas mais pobres que depois tinham a função de servir, no mosteiro.


No entanto , nota-se no espólioque que resta, baixelas e objectos de adorno, de damas distintas, cujos nomes nobres , constam no referido mosteiro agora reconstruido.


É certo que todas as casas têm uma alma e um história.


Este Mosteiro também a tem e muito rica e acidentada.


As águas do rio nas suas investidas, levavam tudo à frente e a humidade extrema neste local, causava doenças de ossos e outras enfermidades respiratórias que a s religiosas tentavam vencer com métodos naturais que agora estão de novo em moda...


Ainda me recordo, há para aí 30 anos, de visitar o Mosteiro quase todo soterrado . Só a parte de cima se visitava. O fundo eram sedimentos e água.


Foi um trabalho interessante e bem sistematizado, aquele que nos devolveu hoje, parte do mosteiro que ainda reserva muitos segredos para descobrir no futuro.


Percorrendo aquele espaço e lendo as regras das religiosas, houve coisas que me impressionaram.


Os cilícios e os sacrifícios a que livremente se submetiam as religiosas para agradar a Deus, impressionaram-me .


Ora eu sinto e penso que o nosso Deus, é um Deus de amor que não necessita de ser aplacado com esses gestos, porque tudo já foi consumado pelo sacrifício de Jesus Cristo na Cruz,mas naquele tempo, talvez as coisas fossem vistas de outro modo . E eram mesmo.


Ainda hoje, aquelas promessas em Fátima em que as pessoas se arrastam, me impressionam . Há tantas formas de nos 'sacrificarmos 'para nossa edificação e crescimento , no dia a dia. SE tomarmos em conta, ajudar alguém necessitado, falar bem quando nos apetece o contrário...Tanta coisa que cada um de nós muito bem sabe , que não está certo e por vezes não temos força para mudar. Aí está o 'sacrifício'.


E dá mesmo muito que fazer!