sábado, 29 de agosto de 2009

A propósito da solidão


Mas que coisa é afinal a solidão?

Homem algum é uma ilha.

Michel Quoist dizia:

- "Eu sozinho, aborreço-me."

Não fomos feitos para viver isolados. Mas diz-se que só sente solidão quem não se valoriza. Quem não se gosta.

Se pensarmos que as dependências são um mal...

Se pensarmos que só o silêncio é criativo...

Se pensarmos que todas as respostas estão dentro de nós mesmos...

Se pensarmos que nascemos sozinhos e partimos sozinhos...

Até parece que estar só é uma bênção.


Lembro-me de uma senhora que dizia:

-Quando chego a casa, acendo todos os rádios e televisões.

Sinto que esta pessoa não tinha qualquer espécie de vida interior.

De qualquer modo, também os outros nos dão o feed back de nós próprios.

Se por vezes, sentimos solidão, ela revela-se quando estamos impotentes para resolver problemas de saúde e ou outros em que não podemos actuar sem a mão de uma outra pessoa.

..mas na realidade , o silêncio é muito muito importante para avançar no mundo interior.

Tudo temperado: nem demais , nem de menos.

Depois, quando estamos com as pessoas que sintonizam connosco, é a festa da vida, mas...às vezes ficamos tão cansados e esgotados, que até apetece é estar só.

É uma necessidade imperiosa, mesmo para recuperarmos o nosso equilíbrio.

Ficamos esgotados. Chupam a nossa energia tudinha...

Já me aconteceu 2 vezes, pelo menos nos últimos tempos, ficar quase doente: as pessoas falam tanto...exigem tanta atenção, que não dão um pequeno break ao seu interlocutor. Fica-se de rastos...

Bendito o silêncio que é consolo da alma e sintonia com o Alto que nos enche de Paz e Bem Estar...

Aquele que fala comigo em silêncio , respeitando o meu ritmo, entrusado na minha alma, descansa-me.

Aquele que fala sem cessar, cansa a minha a alma, que tal como a música precisa de pausas e silencio para ser bela e harmoniosa.