quarta-feira, 9 de julho de 2014

Chicago

Chicago 
img net

Provocas-me demais!

Arrasta- me a Chicago...Nova Orleans. 
Brooklyn

Ritmo frenético.Desengonçado.

Improvisado.

Ora negligé

 Ora arrebatado

Aplausos pelo meio

Sem regra.Grito interior.

Consonância.

Teclas de piano soam fortes

O sax ouro. Metálico.

Dá gritinhos agudos.

A voz rouca de um outro Amstrong

Toca as fibras mais íntimas

Ossos estremecem

Rostos negros brilham
Na noite

Tudo vibra em uníssono

As paredes tremem.Pulsam. Transpiram

Palmas cortam a festa que avança

O saxofone agora é suave

Dilui-se por dentro

A mínima distracção

Nuvens de requebro ao máximo

A música avança

Adolphe Sax no ápice

Da Construção. Recordação.

Êxtase inominável

Quando voltam embriagados

O Sax morre nos últimos acordes

Medida do sentir exacto

De cada um de nós.

Tão alto e tão longe

Jazz, eu te amo!
9.Julho 14
Lucinda Ferreira

Sem comentários:

Enviar um comentário