segunda-feira, 6 de janeiro de 2014

Nova Forma de Engate ...Striptease

Nova forma de engate
Striptease





Mercadoria.

Mecânica do tempo

Ilusão. Busca insana

Rodas. Rodinhas. Engrenagens e Roldana.

Dia. Minuto. Segundo.

Mundo.

Mulher. Prazer

Grande máquina na cama.

Bestial.

Coisa sem valor

Desaforo…

Usa. Deita fora

Pinhal

Amarrotado jornal

Onde o cão mijou

Trocado “amor” por dinheiro

Necessidade (?!)

Marinheiro embarcadiço

Quer lá saber disso.

Cidade.

Cruza a esquina onde ela fuma.

A menina…

Esperando dar mais uma

Euros. Fome. Vício.

Expurgatório poema

Palavras nuas, as dela…

Vestidas de doçura. Setas de Cupido

Insinuação disfarçada

Inocente (?) Pura...Persistente.

Caça seleccionada.

Texto inventado. Nunca antes lido

Imagens vestidas

De macia seda. Fotos. Pinturas. Aguarela.

Dela, apenas sugestão.

Grande escritora. Imaginação a trabalhar

Barata sedução

Não na rua…

Na net

Esgoto de retrete

Engate organizado

Experiente. Trabalhado.

Espreita o incauto

Curiosidade

Ela…

Falsa ingenuidade. Grandes verdades.

…Espiritualidade…´

Verdadeiro encanto. Cai bem.

Espertalhona. Filha da mãe!

Despautério. Mistério.

Põe as cartas

Faz pontaria. Promessas de ardor e energia!

Aranha na mosca

Até enredar mais um

Todos os dias mais um fio

Retirada na escrita

Linda. Bonita

Ele pica e fica

Mulher fatal

Promessas. Juras.

De salero e muito mais

Foi-se um. Vem outro

Sempre em movimento

Máquina do tempo

Sem parar

Como a lesma

Atenta. Colhendo os sinais. Descuidos.  

Avançar sempre . Devagarinho. Devagar…

Novo namorar

Um modo novo de se exibir. Mostrar. Nada atrevida

Lentamente.

Como quem não quer nada

Disfarçada

Fazendo pela vida…

Mostrando apenas a ponta do pé.

Assim mesmo é que é.

Net. Engatar.

Algum há- de cair

Algum há- de caçar.

Cego já dentro da teia

Não consegue fugir.

E...a máquina do tempo cruel.

Indiferente a toda a gente. Sempre a girar.

Vai amargar como fel

E ele a sonhar: Agora sim. Sou amado e vou amar…

E o resto? Já nem me apetece mais contar.
5. Janeiro14
Lucinda Ferreira





1 comentário:

  1. Não é meu costume ser irónica ou usar linguagem mais agressiva, Desculpem ,mas há coisas que nos picam de tal modo (...) que acabou por sair isto...

    ResponderEliminar