sábado, 27 de outubro de 2012

Desencontro


 Desencontro

Da grandeza do meu amor
Nada sentias
E tanta gente via.
Cego é o que não quer ver.
O dia amanheceu
Quando me procuraste
Já era outro ser
O encanto desapareceu
Acendi luzes
Fez-se dia dentro de Ti
Somos
Aquela estrela brilhante
Da manhã.
Perdida.
Duas metades semelhantes
Tão perto e tão distantes
Vida.
Raiz
Força.
Fez-se luz no teu olhar.
Acenas-me de longe
E eu dividida
Do outro lado do mar
Já não m’ apetece voltar…

 Lucinda Ferreira



2 comentários:

  1. Ja viram para o que me deu?
    Apetece me criar. Simular. Ser .
    Aqui estou. Não tarda nada publico as minhas coisas q os meus amigos insistem para q que os faça vir à luz do dia em forma de livro de papel... Quem sabe isso pode acontecer...

    ResponderEliminar
  2. Na realidade o poeta é um fingidor . Mesmo quando brinca com as palavras , continua a fingir... "a dor que deveras sente" como dizia o nosso amigo Fernando Pessoa , mas neste caso é tudo simulação

    ...

    ResponderEliminar