quarta-feira, 30 de agosto de 2017

Relações



Relações



As relações não são necessariamente falhadas, nós é que as falhamos. E depois os outros têm inveja do amor. (...) Não são nada solidários connosco quando somos felizes. As pessoas têm imensa inveja da felicidade dos outros. Antunes , António Lobo




Jesus Cristo tinha poucos amigos e muitos admiradores.
Admiradores tão invejosos, que o mataram!

No Outono da vida, a solidão é bem-vinda para o brilho, a alegria e a verdade do relacionamento consigo mesmo, sendo luz e fonte de paz, sem perda de tempo com exterioridades, que pouco ou nada dizem e já nem interessam.

Há quem prefira o barulho. A confusão. Andar sempre de um lado para o outro, na ilusão de ter muitos relacionamentos e isso lhe conceder poder. Juventude. Popularidade.

Ter muitos amigos é não ter nenhum, já dizia  Aristóteles

Nas relações, é difícil ser quem se é. Faz-se um esforço e é-se o que o outro espera da pessoa, deixando a alma abandonada, numa dependência doentia. Cobarde. Pouco esclarecida. Isto para não criar problema. Para agradar. Para ser benquisto. Não ser desmancha-prazeres. Algumas vezes, em troca de vantagens.
Nesta situação, a alma vai minguando. Triste. Desiludida por não se realizar na sua forma mais plena. Madura. Individual.

Quer no casal, quer na relação pais filhos e vice-versa, quer no trabalho, quer entre pseudo amigos, essa manipulação psíquica, por interesses mesquinhos, autoritarismo ou interesses escusos, esconde a verdade mais profunda da criatura, assim anulada. O ser não se vê a si mesmo, nem pode ser visto por ninguém, no seu propósito individual. No que esconde de mais belo.

Há seres que aceitam esse malfadado jogo, pelas razões mais incríveis!
Se não há culpas nesta fraqueza, há responsabilidade, pelo abandono sem respeito por si mesmo, deixando o mais importante do seu ser, o espírito, a alma, pelo caminho.

(Repare que somos um espírito eterno em evolução, habitando um corpo, roupagem terrena. Veja bem, um corpo sem espírito é…CADÁVER!)

No desleixo de se deixar manipular, começa a maior míngua da personalidade. A maior desgraça da existência. A perda da possibilidade de progredir. De crescer.
Não se avança. Não se aproveita a possibilidade incrível, oferecida por amor, para evoluir, até ao fim. Crescer. Ser feliz, ao realizar-se na sua singularidade, levantando-se e elevando o mundo!

A possibilidade de ser alguém cheio de grandeza interior, crescendo pela dávida ao outro. Pela grandeza da criação de novos mundos, que só essa pessoa pode construir. Sem isso fica-se bloqueado.

Nesta consciência, ter a coragem de lutar pela prioridade de ser quem é, obriga a colocar limites aos outros. Aprender a dizer não sei. Não posso. Não quero. Não tenho. E todos os “nãos” que forem necessários.
Investir no auto conhecimento, olhando para dentro de si próprio. Escutar a sua essência. Saber o que se quer da existência. O que se pode. Até onde se quer ir. Respeitar as suas próprias opiniões. Escolhas. Opções. Aprender a ser e a partilhar o que se é, com os outros, num encontro feito de respeito. Alegria. Generosidade.
Tudo isso é imprescindível para se ser!

Não há nada mais gratificante do que o afecto correspondido, nada mais perfeito do que a reciprocidade de gostos e a troca de atenções Cícero , Marcus

Assim, além de se assumir ser quem se é, há que respeitar o outro, para não o esmagar e não lhe fazer aquilo que não queremos para nós.

Só assim, acessamos a essa força oculta. Infinita. Criativa. Antes desconhecida e que hoje sabemos ser a nossa LUZ que nos foi oferecida por amor, no acto da criação. Sem ela, não se vive. Apenas se vegeta.

E termino com: “ Maturidade não é quando se começa a falar de grandes coisas. É quando se começa a entender pequenas coisas”.


25 de Agosto 2017 , Lucinda Ferreira  

Sem comentários:

Enviar um comentário