quinta-feira, 14 de julho de 2016

Saúde, sim ou não? Eis a questão.


TEXTOS E PRETEXTOS





Saúde, sim ou não? Eis a questão?




Apesar da vida humana não ter preço, agimos sempre como se certas coisas superassem o valor da vida humana. Antoine de Saint-Exupéry





Há mais de 2000 anos, que fomos avisados, que tudo o que for feito escondido, um dia virá à luz do dia e todos verão o que fora camuflado!

Felizmente os tempos são de mudança!

Muitas coisas tidas em segredo, hoje são do domínio público e é bom que assim seja.

Lobos com pele de cordeiro despem as vestes na rua.

As máscaras caem. Os autoritarismos saem caros por vezes…

Se é verdade que quem não tiver pecado que atire a primeira pedra, há campos em que cada falcatrua pode valer a vida de um inocente. Aqui, pelo menos, as pessoas  têm que estar alertadas…

Já várias vezes abordei ao de leve, este assunto. Quem lê os meus artigos com atenção, deve estar recordado. O livro que estou a terminar também aborda esta problemática…

Este tema mexe comigo, porque já sofri e sofro as consequências para o resto da minha vida, de equívocos ligados à minha saúde, que me obrigam a tomar medicação, até ao resto dos meus dias, naturalmente com efeitos secundários (...).

O texto que me chegou às mãos, aborda algo que é gravíssimo.

O título do texto chamou-me a atenção: “Prémio Nobel da Medicina faz uma denúncia alarmante! Todos devemos conhecer!

1.       Pela credibilidade de Richard J. Roberts, MÉDICO!!!! Distinguido pelo Prémio Nobel!!!!
2.      Pelo facto deste assunto dizer respeito a TODOS sem excepção!
3.      Por se tratar da coisa mais sagrada da nossa vida: a SAÚDE!!!
4.      O sumário do artigo diz”Richard J. Robert denuncia a forma como funcionam as grandes farmacêuticas dentro do sistema capitalista, preferindo os benefícios económicos à Saúde, e detendo o progresso científico na cura de doenças, porque a cura não é tão rentável quanto à cronicidade.”

Depois deste sumário acho que não será preciso dizer mais nada! Apenas investigar por si mesmo. Procurar o desenvolvimento da notícia…

Se pesquisar no Google, com este título supra citado, descobre todo o desenvolvimento da noticia, com pontos fundamentais que arrepia o mais insensível…

Para quem não tem acesso ao Google e não lida ainda com estas novas tecnologias, transcrevo alguns pontos importantes…
“…empresas farmacêuticas, USA, gastam centenas de milhões de dólares por ano em pagamento a médicos que promovem os seus medicamentos (…)Richard J.Roberts diz que os medicamentos que curam não são rentáveis(????!!!!) e, portanto não são desenvolvidos(…) Em troca desenvolvem medicamentos codificadores que sejam consumidos de forma serializada”!!!!! (...)”alguns medicamentos que podiam curar uma doença, não sejam investigados” (…)…até que ponto é válido e ético que a industria da Saúde se reja pelos mesmos valores e princípios que o mercado capitalista que chega a assemelhar-se ao da máfia”.( …)…o que é bom para os dividendos das empresas nem sempre é bom para as pessoas”…

·        Aqui é que reside a grande questão que tem que ser ultrapassada! …

” falar sobre a nossa Saúde e as nossa vidas e s dos nosso filhos e as de milhões de seres humanos..”…”investigadores dependentes de fundos privados descobriram medicamentos muito eficazes que teriam acabado completamente com uma doença…”mas não puderam avançar porque não era rentável e o negócio ia-se abaixo…

·        E o mais grave…
“pararam de investigar porque as industrias farmacêuticas não estão interessadas em curar as pessoas, mas em sacar-lhes o dinheiro e, por isso, a investigação de repente, é desviada para a investigação de medicamentos que não curam tonalmente, mas que tornam crónica a doença e fazem sentir melhoria que desaparece  quando se deixa de tomar a medicação”
·        E eu acrescentava: Por que razão, aqui na Europa, compramos um suplemento comprovadamente eficaz e nunca no –lo deixam chegar as nossas mãos? Podemos ficar curados, será isso?!...E inventam-se historias estranhas, dizendo que é para defesa do consumidor…

·        Será mesmo isto a verdade?

Já não sei nada…Mas sinto me muito triste, com todas estas realidades, já que “ O verdadeiro valor da vida, é dar valor a própria vida”HC.

Talvez Valdeci Alves Nogueira tenha razão, para desgraça de todos nós, quando diz: O homem pode se tornar o seu próprio abismo quando, por opção, renuncia aos valores humanos e morais: e, em consequência, de tudo o que ele se apodera, transforma em destruição. 




 C.ª 14.7.16
Lucinda Ferreira
8


1 comentário: