sábado, 2 de abril de 2016

A rapariga gorda de peito ao léu...

  Colecção:Textos e Pretextos                                                                                          
A rapariga gorda de peito ao léu…

A rapariga gorda de peito ao léu…

As mulheres sempre souberam o que quiseram. Os homens é que realmente não sabem. Eles acham que sabem, mas não sabem. As mulheres acham que não sabem, mas sabem.Luiz Tenório Oliveira Lima


A rapariga esperta não queria trabalhar.
Ter horários? Andar a correr? Lutar?
Nem morta!
Então começou a magicar…
Emancipação, o que é que interessa, se tenho que correr. Andar sempre à pressa?
E se o chefe… O patrão for exigente, sempre a refilar, em cima da gente?
Nem pensar!
Há-de haver uma maneira de me livrar…
E se eu me casar? Sou simpática. Boazinha De falas brandas. Mansas…
Vai ser fácil. Algum há-de cair.
Se não der, será que sou capaz de passar um fio no seu pescoço, quando estiver a dormir?
Sou linda. Gentil. Boa aparência…
Cansar-me para quê? Isso é demência.
Já fintei um. Este não escapa. É bom rapaz
Fugir de mim assim, ele não é capaz.
A certa altura…
Zás!
Este já cá canta.
Certinho. Manso. Trabalhador. Bom rendimento. Que mais hei-de querer?
Fazer um filho para o prender!
Zás…
- Falta uma empregada. Tem que ser.
O menino dá muito trabalho, queridinho…
- Sim. Vais ter.
E no jardim todos os dias a passear…
Na cavaqueira com as amigas, só a conversar…Os meninos a brincar…
As “granfinas” com o “personal trainer”, a treinar…
O sol a brilhar…
O amarelinho de poupa, o”Bem- te- vi”, de ramo em ramo a saltar...A cantar…
O Lulu de lacinho na cabeça, a passear…
Um casal, lá ao fundo, a namorar…
O menino no triciclo a pedalar…
Outro maiorzinho a patinar…
O velho a “correr”...Muito devagar…
A menina no aparelho a saltar
A irmãzinha no baloiço a folgar, enquanto a negrinha parada, continua a olhar…
No jardim, de visita, saboreando lentamente um suco de coco, vou fotografar.
E a rapariga esperta sempre com as amigas, no jardim a conversar…
O menino a brincar…
O pai a trabalhar…
Pois então.
Tinha que haver uma saída. Uma solução…

Praça Juscelino Kubitchek, BH, B.
Março 2015

Lucinda Ferreira








Sem comentários:

Enviar um comentário