terça-feira, 19 de maio de 2015

Exercício?...


..

imagens da net

Colecção: Textos e pretextos


Exercício?...




Não adianta tirar conclusões por coincidências. O enigmático é que tudo está escrito na força do pensamento.Lucas dos Santos de Oliveir



Perguntaram um dia ao Padre Fanhais que acabara de cantar uma linda canção de amor da sua autoria, se aquela composição tinha destinatário.Ele respondeu simplesmente:”Quem tiver ouvidos para ouvir que ouça”.
Então,quem souber ler (…), que leia.E intuição é coisa que não te falta.


Se hesitei em te escrever?Acho que não.Comunicar é uma das minhas paixões que até já te confidenciei.Tu sabes bem isso há muitos anos.E já agora digo-te: guardo comigo, coisas que me disseste que um dia te poderia repetir.


És uma bateria de energia.Tão afectivo quanto susceptível? Também és.

Vou deixar a minha alma esvoaçar ao vento, envolta em véus como tanto me apraz.Expressar um gesto de carinho.
Sonhar nunca fez mal a ninguém. Se entenderes, só tens a ganhar. Se não entenderes, continuarei a criar. A ser. A amar o sol. As flores. Os animais. A beleza. O conhecimento.A fotografia. A Natureza. As coisas simples.A cantar.A alimentar a paixão de viver!
Converso “eu com  eu” interminávelmente. Até me sabe bem, confesso.


Enganam-se os que pensam que lá por se ter mais idade cronológica homem ou mulher, a alma não tem capacidade de amar.De partilhar. De dar carinho. De escutar e entender a dor de criança que o outro carrega no seu peito e que pode ser igual à nossa e não há a quem expressá-la (…) porque não temos a quem a dizer. “Não se dão pérolas a porcos”…


Sós, afogam-se as pessoas no trabalho.Outros no pessimismo e na inacção.No alimento, por vezes.Em gestos diversos.E corre-se…Corre-se.Chega-se cansado.Por fim depois da “festa”.Do êxito Do sucesso… Fica-se sozinho.
Existe poder.Alcançaram-se objectivos profissionais Tem-se isto e aquilo, mas não existe o essencial. Às vezes já nem se acredita que isso ainda possa existir para si próprio.A pessoa contenta-se não com o néctar que é o amor.A partilha A comunhão, mas com gestos que se compram e se esquecem logo de seguida.
Existe, sim senhor, esse refrigério.

O tempo é um cadinho miraculoso,uma espécie de peneira que só deixa passar o que é importante e olha-se para o lixo e deita-se-o fora.Não mais se quer na sua vida.Pensa-se no tempo que se perdeu.Em tudo que se fez. Umas vezes ter-se-á revisto nas suas acções. Outras ter-se-á arrependido, mas lá está: “um homem não é de pau”.Aprendeu-se a vida, "levando nas orelhas". Aprendeu-se sozinho com muito trabalho e esforço. Às vezes com humilhação. Construiu-se um império, porque se trazia escondido no peito muitas manhãs orvalhadas e azuis de frustração.Desejo de construir.Ser!
Como sei essas coisas?Por as ter vivido também…

Não andei descalça, como muitos andaram,mas tenho abafado no peito “o pão que o diabo amassou” e nem por isso deixo de ser uma “mulher de grandes paixões”, como algum dia me gritaram.
E como ainda não me fui embora, as coisas vão-se refinando e apurando. Vamos tendo consciência do que se viveu e do que de sagrado ainda guardamos em segredo.

O que tenho a dizer-te nunca mais acabaria.Em longos serões para escutar as tuas aventuras e histórias ou enquanto passeamos ao longo dos trigais, de mão dada como duas crianças brincando.Rindo com humor e graça despreocupada.
Nos dias de céu cinzento, olhava-te.E o azul renovava-se dentro de mim.Vestia-me do verde dos campos e punha flores no cabelo para me achares linda.Talvez até cantássemos as mesmas canções, descontraídos e felizes.

 Pois é. As relações mais íntimas são feitas de cumplicidades ao longo do tempo.Coisas simples que se descobrem no outro, onde tudo acontece sem esforço.Onde se integram até os defeitos que se aceitam, só porque sim.

Desculpa quando não esperei por ti. Fiquei com muita pena e até me arrependi.Acho que nem descansei como devia por causa disso.Estava cansadita pelo que te contei.
Receio a insónia como um papão. Ela já me fez sofrer muito.Não quero enlouquecer por amor.

Às vezes atrapalho-me...Penso em ti sem saber bem o motivo Se queres saber, gostava de te conhecer melhor. Poder dar-te espaço, para te escutar e partilharmos ainda muitas alegrias.

Para mim, os afectos não têm idade. O encontro e o clic mútuo acontecem

quando menos se espera. Se isso não acontece,  nada há a forçar.

Acima de tudo, és o meu labirinto preferido.e isso vai inspirar-me.De certeza que

vais entrar no livro que estou escrever.

Um homem e uma mulher só envelhecem quando deixam de amar!

Morre-se quando nos abandona a capacidade de sonhar…

Se fico à tua espera ou não, não te digo…


A mulher é complicada.Nesse mistério está um pouco do seu encanto.

Cuida-te bem por favor.

Adeus!

Ela era interessante. Um olhar enigmático, um jeito cativante que dizia muito, mas poucos a entendiam. Seu sorriso era versado, um verdadeiro soneto ecoava na doçura de sua expressão. Ela era um poema completo, e como todo poema, era incompreendida por muitos, e apreciada por quem a sentia no meio de tanta confusão. ;)Sean Wilhelm


 Adeus, com carinho!...


Ela era interessante. Um olhar enigmático, um jeito cativante que dizia muito, mas poucos a entendiam. Seu sorriso era versado, um verdadeiro soneto ecoava na doçura de sua expressão. Ela era um poema completo, e como todo poema, era incompreendida por muitos, e apreciada por quem a sentia no meio de tanta confusão. 

Sem comentários:

Enviar um comentário