segunda-feira, 13 de janeiro de 2014

Na Casa da Montanha

     Na casa da Montanha




É linda a casa transparente,

A casa da minha vida  

Verde tapete até ao mar

Primavera florida

Suspensa na montanha

Bate nela o sol nascente

No Outono é castanha.

Inverno branco a brilhar

O Coração é rei 

Sabe tudo

 O que eu não sei

 Adivinha

Quem nela pode entrar.

Anjos de luz guardam a porta 

Noite e dia 

Ouve-se ao longe a mais bela melodia 

Canção azul feita de pedaços de luar

Beijando meu corpo em flor 

Quando me vens abraçar.

Foges em bico de pés… a correr 

Para a madrugada não ouvir. Não te ver

Rouxinol escondido. Chega o sol. 

Inventa histórias de amor 

Estrelas curiosas. Cintilantes espreitam no 
céu anilado.

Dormem os anjos  

Tranquilos na via láctea de braço dado

Enquanto o meu amor bate à janela dos meus olhos

E o vento em forma de brisa espreita
desconfiado

Nesta sinfonia distraído 

O rei adormece 

Rompe-se a magia. Chega a aurora. Acordo.

Dançam nas árvores as folhas

E finalmente…Amanhece.

  
13 Janeiro 2013
Lucinda Ferreira

Sem comentários:

Enviar um comentário