domingo, 15 de dezembro de 2013

Chegou o meu Bem -Amado

Chegou o meu Bem- amado


Chegou o Meu Bem-amado…
Vinha disfarçado.
Ninguém o reconheceu.
Era nobre. Fez se pobre.
Era Rei. Como escravo morreu.
Amou como amara jamais alguém
Especialista em amores.
No final,
Foi injuriado. Negado e atraiçoado. Morto e insultado
Abandonado.
Ficaram as mulheres, João e Maria, sua Mãe!
Reconhecido. Aceite pelos simples.
Os pastores. Os pescadores.
Filho de Rei, nasceu numa gruta.
Entre palhas sem rendas. Sem cobertores…
Não havia luz. Nem energia.
Havia bafo da vaca e do burrito.
Doce calor...Alegria. No coração da Mãe .
E do Pai José. Homem bom. Homem de fé.
Havia uma estrela também.
Ali, nasceu o Salvador!
Música das esferas enchia os Céus de vida
E a Estrelas erguida brilhava. Brilhava.
Anunciava. Alumiava os caminhos
De quem passava.
Mas o povo apressado nem reparava.
Anjos alegres cantavam glórias
Ao menino nascido.
Deitado. Rodeado por uma luz intensa que ninguém via
Dormia e Sonhava  
Uma feliz humanidade com paz e vitórias…
E mesmo que nem todos queiram,
Porque respeita a liberdade,
No final assim será.
Ele voltará
O trigo do joio escolherá. Os eleitos do Senhor!
Ele virá
No seu máximo esplendor
Trombetas e anjos sobre um trono, o trarão.
 Em 770 a.C. de outra Era,
 Isaías, o vidente, que nunca se enganou, dissera:
Podem estar certos, Ele voltará.
Ele vem!
E agora os escolhidos. Livres e não sujeitos ao sofrimento. À maldição
Guiados pelo brilho do Seus olhar, levados pela Sua mão,
Eternamente enamorados.
Hosana sem fim entoarão.
Ele vem!
O amor reinará e todos O bendirão
Como um dia fizeram os simples. Os Pastores, em Belém.

15 .12.13

Sem comentários:

Enviar um comentário