sábado, 17 de dezembro de 2011

A semântica do Natal




Semântica do NATAL

È surpreendente que a maioria das pessoas nada se preocupe com a sua vida espiritual e agora se afadigue tanta com a festa de Natal.
O que será que está menos certo?
A deturpação e a ignorância do significado profundo desta data?
A incoerência desta onda alucinada, materialista que nada tem a ver com a festa de aniversário do nascimento de Alguém que nem sequer se conhece, nem se respeita?

Qual será o significado do Natal?!

O que se terá passado para originar este movimento quase no mundo inteiro?

NATAL é justamente a festa de aniversário do nascimento de um Menino, em Belém, há dois mil anos…

Está documentado historicamente. Não é uma história qualquer sem consequências.

E se para algumas pessoas, só o que é valioso. Rico. Que dá nas vistas. Que concede superioridade. Se só essas coisas é que contam para a maioria, pois saibam que isso nada tem a ver com o Natal!
Se acham que para haver Natal tem que haver lautos jantares, muita bebida e acepipes raros e exóticos, isso nada tem a ver com este acontecimento assim designado de Natal.
Se o evento não passa sem muitas luzes. Sem muito brilho e cor, isso também nada se liga ao acontecimento ocorrido , que se pretende comemorar.
O barulho, as renas, os tristes pais natais, os chocalhos…nada tem de semelhante com o que se pretende recordar com gratidão. Carinho… Amor num ambiente recolhido. Simples...

O Natal só existe, porque faz anos que nasceu aqui neste planeta TERRA, o Filho de DEUS , feito Homem !
Ele trouxe a Esperança a uma humanidade caída. Orgulhosa. Cruel .
Jesus é o Sinal. A mudança!
…………………………………………………………………………………………………………………………..
Um casal, cuja mãe espera um bebé, tem que se deslocar em cumprimento de um dever de cidadão, a uma cidade chamada Belém.
Aí, procuram alojamento, mas não encontram.
Numa noite fria, em que certamente as dores apertavam - e só quem é mãe , percebe o que e digo -, houve que parar numa gruta, já que não havia outro abrigo.

Um lugar, onde não havia profusão de luzes. Houve talvez a lua , estrelas e alguma lanterna ...uma luzita de azeite…
Não havia muita música. Havia talvez o chocalhinho da vaca…e o zurrar suave dos animais que aí se abrigavam.
Não havia aquecimento central no salão cheio de alcatifas e tapeçarias ricas nas paredes…quadros famosos...ricas baixelas e muito glamour.
Havia feno no chão ou talvez mesmo, terra batida. Fria e húmida. Havia apenas o bafo dos animais do estábulo, como aquecimento.
A cama que acolheria o bebé não tinha lacinhos. Cetim. Nem rendas e bordados. O berço foi uma manjedoura. Sem conforto. Sem calor. Sem luxos.
Os convidados não eram todos senhores muito importantes. Destacados na política ou no dinheiro. Não vinham vestidos com vaidade. Luxuosamente.
Eram pastores. Simples. Rudes talvez. Iluminados pelo Espírito. Disponíveis. Humildes. Desprendidos, partilhando o todo, o pouco que tinham. Cheios de amor no coração.
E como se chamava o Menino que assim nascia tão pobremente?
Esse Menino chamou se JESUS!
E seus pais quem eram?
José, da linha do rei David, carpinteiro, vindo de Nazaré com sua mulher, Maria.
E tudo seriam banalidades sem qualquer destaque, se não fosse…

Se não fosse o quê?

Essa é a resposta que temos que descobrir . Escutar no mais fundo do nosso coração.
Sim. Meditar na razão, por que se comemora o Natal. Se isso não acontecer, desculpem, mas não podem ter Natal.
Quem não acredita. Respeita. Adora a Jesus, como ousa chamar Natal , ao encontro desta data?

Chamem-lhe patuscadas. Comezainas. Ostentação. Festas. Outro nome. Tudo o que quiserem, mas Natal não pode ser.

Jesus nasce numa manjedoura. Passa a sua vida até aos trinta e três anos , em missão, só para falar e viver o AMOR.
Esse Jesus que morre coerentemente para salvar a Humanidade dessas tais comezainas, hipocrisias, inversão de valores, injustiças, mentiras e tudo que não confere com a luz.

Esse Jesus que traz uma incumbência do PAI para encher de paz, os corações dos humanos. Para resgatar do erro e da escuridão todos sem excepção dos quais Jesus se faz irmão.
Esse Jesus que não foi reconhecido. Nem respeitado. Até à condenação final, é esse mesmo Jesus que depois RESSUSCITA!

E aí está a força para a mudança. O testemunho. A certeza.
Aí está o nó do segredo!
Aí está a resposta para todos os que hoje O procuram de verdade.
E até para os teimam em falar de Natal, sem pensar no que dizem.
Até são capazes de falar de Amor , sem se interessarem por conhecer quem é o Amor. O Caminho. A verdade. A vida!

Esse Jesus apaixonado pelo resgate de todos os nós. O único que dá sentido ao nosso Natal.
Calor humano. Aconchego das almas e das Famílias que se amam de verdade. Que comemoram .Vivenciam esse mesmo Espírito de Natal .

Que Ele justamente, encha o coração dos Homens de boa vontade, de Paz . Coragem. Amor… para que se realize a alquimia fundamental da existência humana. A aventura final: vencer e transformar a densidade .As trevas, em Luz, com ajuda d’Ele justamente !
Gratidão por Ele ter escolhido tudo o que sofreu para encher de Esperança os corações de TODOS OS HOMENS ,sedentos de Amor.
Que ninguém desperdice esta oportunidade. Que quem já teve esta experiência , ajude os que estão ao se lado, com menos fé e coragem.
A alegria só é grande quando partilhada. Natal também é alegria!
Obrigada ao nosso querido Jesus , Salvador de cada um de nós , sem hesitações, até ao sacrifício final.
Cantemos com os Anjos, nesta noite fria e tão especial.
È NATAL!

1 comentário:

  1. Feliz natal em Amor e simplicidade para todos os Homens de boa vontade que mergulham sem medos e com amor, na historia sagrada do Menino Deus feito homem
    Beijos
    Lucinda Ferreira

    ResponderEliminar