domingo, 8 de novembro de 2009

Saudades


Ola, meus amigos!

Confesso que me tem feito falta estar convosco.

Mas olhem ,mesmo quando estou longe no espaço, fico mais perto no coração.

Acho que observo o mundo com mais atenção , desde que o meu blog me alarga os braços da minha alma, para comunicar com o mundo .

Nunca fui gaivota de asas cortadas. Deus me livre!


Estive durante 7 dias integrada num grupo. Quantas coisas observei, sobretudo quando parecia mais distraída.


Um grupo é como um ramo de flores.

Há flores que exalam um perfume da alma que é bom estarmos por perto.


Outras, ainda não perceberam que o ego e a necessidade de se ocuparem criticando os outros, numa atitude de alma básica, cheia de infeririodade e de vazios pela falta de amor e elegância espiritual, as cega completamente para o fundamental: virarem-se para dentro e verem-se.

Questionarem-se. Perceberem, a necessidade de crescimento interior.

De saberem por que razão estão neste plano. Meu Deus que pobreza e que dor me causou ver a sua cegueira.

Outras completamente neuróticas e cheias de traumas, não querem sair desse estádio, mesmo que se lhe diga que precisam de ajuda.

Depois, vem os ignorantes - a ignorância é tudo o que há de mais atrevido - rindo de quem lhes podia levar a luz.

De qualquer modo, escondidos, discretos, no seu canto, havia violetas perfumando o caminho de quem cruzavam...

Havia quem tivesse necessidade de chamar a atenção, exigindo até privilégios e atenções especiais.

Outro disponíveis, abertos tentavam servir de ponte e fazer as passagens mais dificéis.

A mim dava-me verdadeira alegria e sumo prazer, ficar comigo mesma, no meu canto, em alto mar, olhando o céu, sentindo a brisa no meu rosto, almoçar sozinha e agradecer tudo o que aquela travessia no alto mar , oferecia.

Pude recordar o tempo que vivi no mar e perceber que a minha energia , neste momento , me pede outras experiências. O mar agora, só de passagem...

Há um tempo para todas as coisas.

De qualquer modo, voltando ao grupo, ali todos juntinhos, serviu-me para crescer , pelas cedências feitas, pelo que observei.
Coisas que doiam e com as quais não era fácil conviver.

Portanto com o que desgostava , era lição para saber que aquilo nunca se poderia fazer a ninguém...

Que era para aceitar, embora com tristeza.

O que era belo , era para alegrar, dar coragem e saber que nada está perdido.

Enquanto houver um fermento, ainda que mínimo, é bem natural que um dia despertem . Percam as arrogâncias tolas e a má língua. Uma questão de nível.


Acho que a bondade é uma questão de inteligência. Não falo em instrução...


Oxalá não tenham que sofrer para evoluir , já que só se evoluie pelo amor e pela dor.


Será que as pessoas já todas perceberam que tudo o que vem até nós , o atraimos e é o que precisamos para reflectir e evoluir?


Uma escolha de cada momento entre a densidade e a luz, eis a caminhada que nos oferece e a oportunidade de ser.


Agraddecer . Agradecer. Agradecer...é tudo que nos resta.


Virados para dentro , deixando sair o perfume da abundância do amor, que dá porque nada espera, nem necesita sabendo que vida é de dentro para fora e não o contrário .



Sem comentários:

Enviar um comentário