quinta-feira, 20 de agosto de 2009

Hoje ocorreu me um pensamento que quero partilhar


Quando vou no meu carro, ou faço oração pelas automobilistas que cruzo no caminho, ou fico muito atenta à vida à minha volta, ou aproveito para fazer uma reflexão. Também ligo o rádio ,mas raramente.

Gosto muito de deixar passar as pessoas, sem prioridade, que estão numa fila ao lado para os deixarem entrar, porque raramente me deixam passar quando espero essa oportunidade.

Acho que as pessoas ficam tão felizes que até sorriem por vezes.

Uma vez conheci um amigo, um admirador na estrada.

Tivemos um encontro posterior e até foi interessante conhecer o senhor a quem pude passar uma mensagenzinha...

Mas enfim , hoje ia na estrada e pensava:

- Não há mesmo razão para se desprezar um idoso. Quem for inteligente, tem mesmo um atitude diferente.

Um idoso transporta consigo , muitas vezes, uma 'biblioteca', em saber vivido e experimentado , que livro algum pode ensinar.

Um idoso tem menos energia física ,mas pode ter uma força espiritual notável , dada pela sua vivência e opções feitas pelo amor, que jovem algum ainda teve tempo de ser provado e ter vivenciado.

De resto a convivência dos netos com os Avós , dão-lhe aos mias pequeninos noções preciosoas, uma certeza das suas raizes.

Dão -lhe uma dignidade, uma segurança e uma força que alguém outrém não tem possibilidade de passar à criança ou ao jovem.

É a falta de identidade que muitas vezes leva aos desacatos e até ao crime, por falta de vergonha e de valores pessoais passados pelos ancestrais.

Portanto aqueles que respeitam e prezam os mais velhos, os maiores ( como dizem os espanhóis), só têm a ganhar. Eles e os seus filhos, que amanhã os respeitarão muito mais facilmente.

Quando eu trabalhava no Ministério da Edução, onde estive destacada durante 10 anos, lembro-me de termos falado no desejo de implementação no nosso País de um projecto bem interessante.

As famílias , por vezes até carenciadas ou no desemprego, ( e agora isso não falta...), inscreviam-se e recebiam em suas casas, idosos que vivendo sozinhos , davam toda ou parte da sua reforma e sendo tratados com carinho e integrados na familia, sob vigilância da segurança social que por vezes até pagava também no caso mais pobres, tornavam a sociedade mais humana, sem horror à velhice por que se fugia deste modo, no final da sua vida tantas vezes de trabalho e sacrifício, fugia-se assim dessa praga horrível, que são os estaleiros para velhos, que por vezes até são incendiados.

Lembram- se na Rússia e noutros locais quantas vezes isso já aconteceu? Eu não sei a razão ,mas sei que a sociedade sente que velho dá trabalho e já não interessa. ..

É como dizia a pequenita cigana da Avó, que gritava e que não se queria dar à faca...por ser idosa e ser costume eliminarem os velhos...

Bom ,então as próprias famílias , podiam organizar-se e integrar os seus idosos no seu seio e certamente os seus rendimentos também aumentariam.

Tem que haver contudo o sentido de família, bondade e generosidade,mas garanto-vos que é compensador.
Eu sou filha única e meus Pais sempre tiveram um lugar na minha casa, na minha vida!

Nem a terra me comia, se metia meus Pais numa prisão - sabe -se lá como seriam tratados, - depois de uma vida de trabalho e quando precisavam mais de amor e atenção!

Meus filhos assistiram , participaram e beneficiaram desta presença tão valorosa.

Resta agora saber , se nas suas uniões, deram com alguém que tenha tido as mesmas experiências...não sei. Mas tenho muita , muita pena....

Sem comentários:

Enviar um comentário